Pessoas que acompanham nosso site

Deus - O autor de Missões - Comentários Adicionais

DEUS, O AUTOR DE MISSÕES
(Lição 06 - 6 de agosto de 2017)

TEXTO ÁUREO
Nisto se manifestou a caridade de Deus para conosco: que Deus enviou seu Filho unigênito ao mundo, para que por ele vivamos.” (1 Jo 4.9).

VERDADE APLICADA
Logo no início da Bíblia encontramos que o Deus Criador é um Deus missionário, interessado em abençoar todas as famílias da terra.

OBJETIVOS DA LIÇÃO
EXPLICAR aos alunos que o plano de salvação foi elaborado antes da queda do homem;
APRESENTAR a Cristo como a figura central da Palavra de Deus;
MOSTRAR o envolvimento da Trindade nas dispensações.

TEXTOS DE REFERÊNCIA
Jo 20.19 – Chegada, pois, a tarde daquele dia, o primeiro da semana, e cerradas as portas onde os discípulos, com medo dos judeus, se tinham ajuntado, chegou Jesus, e pôs-se no meio, e disse-lhes: Paz seja convosco.
Jo 20.20 – E, dizendo isto, mostrou-lhes as suas mãos e o lado. De sorte que os discípulos se alegraram, vendo o Senhor.
Jo 20.21 – Disse-lhes, pois, Jesus outra vez: Paz seja convosco; assim como o Pai me enviou, também eu vos envio a vós.
Jo 20.22 – E, havendo dito isto, assoprou sobre eles e disse-lhes: Recebei o Espírito Santo.

COMENTÁRIOS ADICIONAIS

INTRODUÇÃO
O homem foi criado por Deus em estado de perfeição (Ec 7.29), para a glória de Deus (Is 43.7). Porém tendo pecado, ele caiu e perdeu a perfeição que possuía antes. Pela queda de Adão, o pecado passou a todos os homens (Gn 3.1-3; Rm 5.12; I Co 15.22; Gn 6.12). Presentemente, cada homem nasce em pecado, SI 51.5 e vive sempre pecando (Jó 14.1; 25.4; Gn 8.21; Is 48.8), necessitando, então, da plena misericórdia de Deus. Ciente de tudo isso, Deus já havia preparado um plano de redenção para toda humanidade. O sacrifício de Jesus provê redenção para o homem perdido (Mt 20.28). Jesus é o último Adão, o qual conquistou para o homem perdido um novo nome (Ap 2.17), um novo caminho (Hb 10.20) e um novo futuro (Fp 3.10-12).

1. DEUS, O MISSIONÁRIO POR EXCELÊNCIA
Desde o início Deus já se revelava ao homem anunciando a sua Palavra. Ele já sabia da falha do homem, por isso, providenciou um meio de redenção para que o homem pudessem se reconciliar novamente com Ele. Quando Adão e Eva pecaram e esconderam-se de Deus, o próprio criador como missionário foi ao encontro do casal dando a oportunidade de reatar novamente a comunhão. Também Deus estabeleceu um pacto com Abrão, prometendo que ele seria o pai de uma grande nação. Deus disse que não apenas esta nação seria abençoada, mas da mesma forma o seriam as outras nações da terra (Gn 12.3b) através dos descendentes de Abrão. Israel, a nação que viria de Abrão, seguiria a Deus e influenciaria todos com quem tivesse contato. Através da árvore genealógica de Abrão. Jesus Cristo nasceu para salvar a humanidade. Através de Cristo, as pessoas podem ter um relacionamento pessoal com Deus e ser infinitamente abençoadas. O pecado quebra o seu relacionamento íntimo com Deus, assim como tem quebrado o nosso. Porém, Jesus Cristo, o Filho de Deus, abre o caminho para renovar nosso relacionamento com Ele. Deus almeja estar conosco e oferece-nos ativamente o seu amor incondicional.

1.1. A criação revela o amor do Criador
Deus criou todas as coisas, mas a criação mais excelente sem dúvida alguma foi o homem, pois, criou a sua imagem e semelhança. “E disse Deus: Façamos o homem à nossa imagem, conforme a nossa semelhança; e domine sobre os peixes do mar, e sobre as aves dos céus, e sobre o gado, e sobre toda a terra, e sobre todo o réptil que se move sobre a terra. E criou Deus o homem à sua imagem; à imagem de Deus o criou; homem e mulher os criou” (Gn 1.26,27). Em que sentido fomos feitos a imagem de Deus? Obviamente Deus não nos criou exatamente como Ele. Porque Deus não possui corpo físico. Em vez disso, somos reflexos da sua glória. Apesar de sermos dotado de razão e criatividade não somos totalmente iguais. Nunca seremos totalmente como Deus. Pois Ele é o Criador supremo, porém temos a capacidade de refletir seu caráter através do amor, perdão, da paciência, bondade e fidelidade. Saber que fomos criados a imagem de Deus e compartilhar muitas de suas características provê uma base sólida para a imagem própria. A criação da natureza mostra um Deus poderoso, inteligente e um Deus que controla tudo, essa é uma revelação geral. Mas, por meio de uma revelação especial, as Escrituras e a vida de Jesus, aprendemos a respeito do amor de Deus, da sua misericórdia e da promessa da vida eterna.

1.2. A missão começa com Ele
Quando o homem pecou teve como primeira consequência o sentimento de vergonha e medo. As cintas de folhas-de-figueira que fizeram para se cobrirem demonstram a tentativa do ser humano de salvar a si mesmo por meio de uma religião de boas obras e sem derramamento de sangue. Quando chamados a se explicar diante de Deus, os pecadores se justificam. Adão disse: “A mulher que me deste por esposa...”, colocando a culpa em Deus (cf. Pv 19.3); e Eva respondeu: “A serpente...” (v. 13). Deus, missionário por excelência, cheio de amor e misericórdia, veio a procura de suas criaturas caídas com a pergunta: “Onde estas?”. Essa pergunta demonstra duas coisas: o homem estava perdido, e Deus veio buscá-lo. Com essa atitude, o Senhor demonstra a pecaminosidade do homem e a graça divina. Foi Deus que tomou a iniciativa na salvação mostrando o grande amor pela humanidade. Muitos se encontram perdidos sem nenhuma esperança, como servos de Deus devemos anunciar as Boas Novas de salvação e buscá-los ao encontro do Pai celestial.

1.3. Um projeto elaborado desde a eternidade
É de suma importância que o ganhador de almas compreenda bem o plano ou caminho da salvação, para poder explicá-lo claramente à alma que busca a Deus. O plano é simples, pois Deus afastou todas as dificuldades. Ele fez tudo em lugar do pecador. A parte que toca a este é apenas aceitar a salvação consumada. É como está escrito na parábola das bodas: "Tudo já está preparado; vinde às bodas" (Mt 22.4). A Palavra de Deus afirma que todos pecaram e destituídos ficaram da glória de Deus (Rm 3.23). Deus, porém, na sua misericórdia, não quer que ninguém pereça (1 Tm 2.4; 2 Pe 3.9), e proveu salvação para todos que quiserem. Jesus morreu em lugar do pecador, levando sobre si o pecado do mundo (Is 53.6b; Jo 1.29; 2 Co 5.21; 1 Pe 2.24). Quem quiser pode agora ser salvo mediante o Senhor Jesus Cristo (Mt 1.21; Lc 2.10,11; 19.10; Jo 3.16; At 10.43; Rm 10.13; Ap 22.17). O castigo do pecado, que era a morte (Ez 18.4), o Senhor Jesus levou em seu corpo no Calvário.

2. MISSÕES EM VÁRIOS ASPECTOS
Esta é hora da evangelização, o apóstolo Paulo nos orienta que devemos pregar a Palavra em todos os momentos, o importante é anunciar o Evangelho de salvação a todos os povos. Todos precisam ouvir a mensagem do Evangelho, Deus nos deu o pão da vida para que possamos repartir com os que tem fome. “Que pregues a palavra, instes a tempo e fora de tempo, redarguas, repreendas, exortes, com toda a longanimidade e doutrina” (2 Tm 4.2). Temos em nossas mãos o anúncio de perdão para os que se acham nos cárceres do pecado. Devemos orientar os perdidos mostrando-lhes o mapa que Deus nos dá na Bíblia. E conduzi-los a Jesus, que é o Caminho, a Verdade, e a Vida.

2.1. O processo ascendente de missões
O homem natural, até que se dê conta de sua condição espiritual, e suas consequências, dificilmente busca a Salvação. O nosso dever é ensinar-lhes que o pecado pode propiciar prazeres ao corpo, mas não pode dar gozo à alma, e que Jesus é a única resposta para a alma. Uma pessoa sem Cristo está perdida, sem rumo na vida, vive em função de seu egoísmo e é escrava de seus próprios desejos. O desejo de Deus é que o homem volte-se para Ele e tenha vida eterna, e como solução Ele revelou as Boas Novas do Evangelho: "Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu seu único filho, para que todo aquele que nele crer não morra, mas tenha a vida eterna" (Jo 3.16). As pessoas precisam saber que Deus o ama muito. O nosso Deus, além de ter o melhor plano para as suas vidas, ainda oferece-lhe o perdão de seus pecados.

2.2. Cristo, a figura central
Jesus Cristo é a figura central da revelação bíblica. As profecias revelam Jesus como figura principal, Ele é Autor da criação e salvador da humanidade. Desde o seu nascimento até a sua segunda vinda e seu reino, tudo foi predito de Gênesis até ao Apocalipse. A Bíblia diz que Jesus veio ao mundo para salvar os pecadores (1 Tm 1.15). Essa, portanto, foi a missão na terra do missionário por excelência. Não há outro ser igual a Jesus, ele é singular. Basta uma lida nos Evangelhos para deixar qualquer um perplexo. A perfeição e a singularidade que encontramos na vida e ministério de Jesus são algo nunca visto na história. Não procurava status e associava-se com os pecadores: publicanos e prostitutas (Mt 11.19; 21. 31,32); embora santo, perfeito e impecável, foi submetido aos nossos sofrimentos e provações. Rompeu barreiras geográficas, culturais, étnicas e religiosas (Mc 7. 24-27); Jo 4.9)). Eis o modelo de missionário: Jesus é de todos e para todos; é o único Salvador do mundo; é dever nosso levar o seu nome para as nações (Lc 24.47; At 1.8). A grandeza do nome de Jesus pode ser vista na Bíblia, na história, nas artes, no nosso dia a dia e, principalmente, no testemunho pessoal de seus seguidores. Mesmo sob perseguição, o seu nome atravessou os séculos e, com a arma do amor, fundou o maior império da história - o único que não será destruído: o Reino de Deus, prometido pelo Senhor a Davi, e cumprido plenamente em Cristo Jesus Nosso Senhor.

2.3. Bíblia, o alicerce
A Bíblia é a revelação de Deus à humanidade. Esta é a mais curta definição canônica da Bíblia. Esta posição para com a Bíblia é de capital importância para o êxito no seu estudo. Sendo a Bíblia é o firme alicerce que todos precisam conhecer, é a revelação de Deus, ela expressa a vontade de Deus. Ignorar a Escritura Sagrada é ignorar essa vontade. Declarou corretamente certo autor anônimo: “A Bíblia é Deus falando ao homem; é Deus falando através do homem; é Deus falando como homem; é Deus falando a favor do homem; mas é sempre Deus falando!” Tudo o que Deus tem preparado para o homem, bem como o que Ele requer do homem, e tudo o que o homem precisa saber espiritualmente da parte dele quanto à sua redenção e felicidade eterna, está revelado na Bíblia. Tudo o que o homem tem a fazer é tomar a Palavra de Deus e apropriar-se dela pela fé em Jesus. O homem deve ler a Bíblia para ser sábio, crer na Bíblia para ser salvo, e praticar a Bíblia para ser santo. Saiba-se que conhecemos de fato a Deus, não primeiramente estudando a Bíblia, mas amando-0 de todo o coração e crescendo em comunhão com Ele (1 Jo 4.7; Jo 14.21,23). É nulo o conhecimento espiritual destituído de fé (Hb 4.2.) A Palavra de Deus ê destinada ao coração (para ser amada), e à mente (para ser estudada, entendida), Hb 10.16. O plano de Deus para o crente é que o mesmo tendo uma vez conhecido a verdade salvadora prossiga até o pleno conhecimento dela (1 Tm 2.4; Pv 9.9.). Nenhum outro livro, em todo o Universo, pode ser comparado com a Bíblia, inclusive em seus resultados. Ela é capaz de santificar (Jo 17.17), fortalecer (SI 119.28), esclarecer (SI 119.30), regenerar (I Pe 1.23), limpar (Jo 15.3) e vivificar (Jo 6.63). Bendito seja o Senhor por tão maravilhosa Palavra!

3. MISSÕES E A TRINDADE
As palavras de Jesus afirmam a realidade da Trindade. Algumas pessoas acusam os teólogos de terem inventado o conceito da Trindade e forçado a sua interpretação a partir das Escrituras. Mas, como podemos ver aqui, o próprio Senhor Jesus Cristo não disse para batizar “nos nomes”, mas em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. A palavra “Trindade” não aparece nas Escrituras, mas descreve muito bem a natureza tríplice de Deus que, sendo um, subsiste na pessoa do Pai, do Filho e do Espirito Santo. Os discípulos deveriam batizar as pessoas porque o batismo simboliza morrer para o pecado e ressuscitar para uma nova vida em Cristo. O batismo representa submissão a Cristo, disposição de viver de acordo com a vontade de Deus e identificação com o povo da Aliança de Deus. A fórmula do batismo em Mateus (28.19) na expressão: “do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo”, indica que a salvação procede do Pai que a planejou; do Filho, que a consumou; e do Espírito Santo que tanto efetuou a encarnação do Filho, como também aplica a salvação ao homem. A fórmula tríplice do batismo é uma maneira de ressaltar a Santíssima Trindade: O Pai, o Filho e o Espírito Santo.

3.1. A participação de Deus
A obra missionária não é de origem humana, e muito menos ação filantrópica; surgiu do coração de Deus, e está revelado em sua Palavra. Muitos livros tidos como sagrados, mostram o homem à procura de Deus. Porém, a Bíblia nos apresenta um Deus pessoal, buscando e restaurando a coroa de sua Criação. A Bíblia apresenta a pessoa de Deus como aquele que provê todas as coisas, (Rm 8.32b). Quem O reconhece como pastor, de nada terá falta, (SI 23.1). O grande propósito do Altíssimo é a redenção de todo o mundo. Por esta razão, as Boas Novas destinam-se a todas as raças, tribos e nações. O Texto Sagrado encerra sua revelação com um terno apelo, lançado aos homens: "O Espírito e a noiva dizem: Vem. Quem ouve, diga: Vem. O que tem sede, venha e quem quiser receba de graça a água da vida." (Ap 22.17).

3.2. A participação de Jesus Cisto
O Senhor Jesus Cristo é divisor de águas de nossas vidas e da História Universal. Ele é o único cuja história afeta a vida humana. Ninguém pode ficar alheio à sua vida e obra. É o nosso modelo em tudo; a Bíblia diz que em tudo foi perfeito; é nEle que devemos nos inspirar. Jesus é o missionário por excelência. Sabemos que só há um meio para a salvação – Jesus Cristo. E somente nós, os cristãos, temos este pleno conhecimento. Como poderíamos, então, deixar de falar de Cristo? “Disse-lhe Jesus: Eu sou o caminho, a verdade, e a vida; ninguém vem ao Pai, senão por mim.” (Jo 14.6). O apóstolo Paulo diz que “E em nenhum outro há salvação; porque também debaixo do céu nenhum outro nome há, dado entre os homens, pelo qual devamos ser salvos.” (At 4.12) “Porque há um só Deus, e um só Mediador entre Deus e os homens, Jesus Cristo, homem...” (1 Tm 2.5).

3.3. A participação do Espírito Santo
Desde o primeiro até o último capítulo da Bíblia (Gn 1 e Ap 22), as menções ao Espírito Santo se repetem com frequência. Observe a participação do Espírito Santo na história desde o princípio e tudo plenamente descrito na Bíblia. Ela inicia sua mensagem afirmando que o Espírito de Deus se movia. E, conclui afirmando que o Espírito está convidando a todos para beberem de graça da água da vida, (Gn 1.2; Ap 22.17). Qualquer pessoa há de se maravilhar à medida em que estude os atos soberanos e gloriosos do Espírito Santo, quer seja na construção do Universo, quer seja no interior do coração das criaturas. Convém recordarmos alguns desses feitos portentosos, os quais nos conduzirão a um estado de sensibilidade cristã e de profunda fidelidade, pois, quão pequenos somos diante de tão grande Espírito! a. O Espírito Santo participou da obra da criação, (Gn 1.2); b. Continua atuando no Universo criado, (SI 104.30); c. Ele alegra o coração do crente, (Gl 5.22); d. Ele dirige pessoas e igrejas, (At 8.29; 13.1-3); e. Ele esquadrinha o mais interior de nossa vida, (Rm 11.33,34; 8.25-27); f. Ele concede preciosos dons à Igreja, (I Co 12); g. Ele sela os que são chamados para a comunhão com Cristo, (Ef 4.30); h. Ele convence o mundo do pecado, da justiça e do juízo, (Jo 16.8-11), i. Ele adota os pecadores regenerados como filhos de Deus, (Rm 8.15,16); j. Ele consola os corações abatidos, (At 9.31). Assim como o Espírito de Deus se movia sobre a face dás águas no princípio, e daí surgiu a luz, pela Palavra de Deus, hoje o Espírito de Deus está se movendo no coração dos homens, para aplicar neles a Palavra de Deus que produz luz, (Gn 1.2,3; 2 Co 4.6). Quando a igreja de Deus mediante oração fervorosa e perseverante buscar a direção do Espírito Santo, e saírem possuídos do desejo de anunciar a Palavra de Deus, muitas almas serão salvas, elas sairão das trevas para a luz, e muitas igrejas serão estabelecidas.

CONCLUSÃO
A igreja dos dias primitivos cresceu muito depressa porque os crentes, cheios do Espírito Santo, evangelizavam sem parar (At 5.42; 8.4). O resultado foi o maravilhoso crescimento registrado no livro de Atos dos Apóstolos. Hoje, também, a igreja deve possuir crentes cheio do Espírito Santo na tarefa de ganhar almas. A semeadura da Palavra de Deus promove o crescimento e a edificação da igreja.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:
Bíblia de Estudo Aplicação Pessoal. Edição Revista e Corrigida, tradução de João Ferreira de Almeida, CPAD, 2008.

Bíblia de Estudo MacArthur. Edição Revista e Atualizada. Barueri, SP: SBB, 2013.

REVISTA DO PROFESSOR: Jovens e Adultos. Evangelismo, Missões e Discipulado. Rio de Janeiro: Editora Betel – 3º Trimestre de 2017. Ano 27 n° 104. Lição 06 – Deus, o Autor de Missões.

SILVA, Antonio Gilberto da - A Prática do evangelismo pessoal. Rio de Janeiro: CPAD, 1996.

Aprendendo a arte do evangelismo pessoal - Igreja Batista Getsêmani de Luziânia.

Lição Bíblica CPAD. Mestre. 1º trimestre 2007. A Igreja e a sua Missão.

Lição Bíblica CPAD. Jovens e Adultos. 4º trimestre 1980. O Espírito Santo e a Bíblia.

COMENTÁRIOS ADICIONAIS:

Pb. ANCELMO BARROS DE CARVALHO – Servo do Senhor Jesus Cristo.

Nenhum comentário: