Pessoas que acompanham nosso site

O chamado de um profeta - Comentários Adicionais

O CHAMADO DE UM PROFETA
(Lição 01 - 2 de abril de 2017)

TEXTO ÁUREO
Antes que te formasse no ventre, te conheci; e antes que saísses da madre, te santifiquei; às nações te dei por profeta(Jr 1.5).

VERDADE APLICADA
É preciso que primeiro reconheçamos a vocação que nos é dada por Deus e, assim, cumprirmos a missão.

OBJETIVOS DA LIÇÃO
APRECIAR que Deus escolhe e capacita pessoas para Sua missão;
RECONHECER que a convocação tem que partir do Senhor;
MOSTRAR aos alunos que Deus conta com homens fiéis na Sua obra.

TEXTOS DE REFERÊNCIA
Jr 1.4 – Assim veio a mim a palavra do Senhor dizendo:
Jr 1.5 – Antes que te formasse no ventre, te conheci; e antes que saísses da madre, te santifiquei; às nações te dei por profeta.
Jr 1.6 – Então disse eu: Ah! Senhor Jeová! Eis que não sei falar; porque sou uma criança.
Jr 1.7 – Mas o Senhor me disse: Não digas: Eu sou uma criança; porque, aonde quer que eu te enviar, irás; e tudo quanto te mandar, dirás.
Jr 1.7 – Não temas diante deles, porque eu sou contigo para te livrar, diz o Senhor.

COMENTÁRIOS ADICIONAIS

INTRODUÇÃO
Neste trimestre iremos estudar sobre Jeremias, um dos profetas do Antigo Testamento. Ele foi um abnegado servo de Deus, um dos mais sofrido mensageiros de Jeová. A vida pessoal desse profeta é mais conhecida do que a de qualquer outro profeta do Antigo Testamento porque nos deixou muitas marcas de seus pensamentos, preocupações e frustrações. Jeremias é conhecido como o profeta das lágrimas. Apesar do povo judeu não dá ouvido as suas advertências, ele fez de tudo a fim de reconduzir o povo aos caminhos do Senhor.

1 – UM PROFETA ELEITO POR DEUS
Deus vocacionou Jeremias como profeta de acordo com sua vontade. Veja como Deus escolheu esse jovem da cidade de Anatote: “Antes que te formasse no ventre te conheci, e antes que saísses da madre, te santifiquei; às nações te dei por profeta” (Jr 1.5). Três coisas fez o Senhor em relação a Jeremias: conheceu-o, santificou-o e deu-o às nações. Note que o profeta ainda nem era nascido, mas já era conhecido por Deus, antes mesmo de ser ciente de sua missão, já se achava santificado para o ministério, ainda sem saber falar, Deus já o tinha dado aos povos como arauto. A soberania é um instrumento legítimo de Deus, através da qual Ele executa toda a Sua vontade. Como criador de todas as coisas, Deus tem autoridade sobre todas as criaturas, Ele elege a Jeremias a fim de que seu plano seja cumprido integralmente. Jeremias era apenas um jovem quando foi chamado para levar uma severa mensagem impopular a seu povo: “para arrancares e derribares, para destruíres e arruinares”; e também um ministério positivo: “para edificares e para plantares” (Jr 1.10).

1.1 A autoria do livro
Jeremias era filho de Hilquias, oriundo da classe sacerdotal, nasceu em Anatote, uma pequena cidade localizada a 5 km ao norte de Jerusalém, foi chamado a exercer o ministério profético ainda bem novo. Jeremias escreveu suas profecias na Palestina num dos períodos mais difíceis da história do povo judeu, o povo tinha se afastado do Senhor e seguido caminhos desastrosos, Deus o levanta para ser uma testemunha a nação, devido ao seu chamado sofreu muitas perseguições, veio a falecer no Egito como exilado. Juízo e benignidade são os pontos centrais do seu livro. Jeremias profetizou a Judá durante os reinados de Josias, Jeoaquim, Jeconias e Zedequias. O seu chamado é datado de 626 a.C, e o seu ministério continuou até pouco tempo depois da queda de Jerusalém, em 586 a.C. O profeta Sofonias precedeu ligeiramente a Jeremias e Naum. Habacuque e Obadias foram contemporâneos seus. Ezequiel foi um contemporâneo mais jovem, profetizando na Babilônia de 593 aC a 571 a.C.

1.2. As origens do profeta
Jeremias, filho de Hilquias, foi um profeta da cidade de Anatote, terra de Benjamim e provavelmente era descendente de Abiatar. O significado do seu nome é incerto, mas “O SENHOR exalta” e “O Senhor lança” são possibilidades. Jeremias recebeu a ordem de não se casar ou ter filhos para ilustrar a sua mensagem: o julgamento era iminente, e a próxima geração seria exterminada. Seu companheiro e amigo chegado era Baruque o escriba. Foi um homem que teve pouco amigos, é um dos tipos de nosso Senhor Jesus Cristo. Seu choro sobre sua cidade, nos faz lembrar o choro do Mestre sobre Jerusalém, certa vez foi comparado a Jesus – Mt. 16.14. Ao que parece, são qualificados como amigos apenas Aicão, Gedalias, filho de Aicão e Ebede-Meleque. Isso de deve em parte por causa da mensagem de ruína proclamada por ele, uma mensagem contrária à esperança do povo e que incluía uma sugestão de rendição aos babilônios. Apesar dessa mensagem de ruína, da sua severa repreensão aos líderes e do desprezo pela idolatria, sentia tristeza em seu coração pelo povo, pois sabia que a salvação de Israel não está desassociada da fé em Deus e de um relacionamento de aliança correto, expresso pela obediência.

1.3. O profeta não foge à luta
Jeremias profetizou num período muito crítico da história de Israel. Mesmo assim, o profeta cumpriu a missão que Deus lhe confiou. Deus designou Jeremias para que levasse sua palavra a nações e reinos. O trabalho de Jeremias não era apenas advertir os judeus, mas a todas as nações do mundo, quanto ao juízo de Deus por causa do pecado. Ao ler o Antigo Testamento, não podemos esquecer que, enquanto Deus se revelava ao povo de Judá e de Israel, seu plano era ser conhecido por todas as nações e pessoas. Nós também estamos incluídos na mensagem de juízo e esperança proferida por Jeremias e, como crentes, devemos compartilhar o desejo de Deus de alcançar o mundo inteiro para Ele. O Senhor tem um propósito para cada cristão. mas algumas pessoas são designadas por Ele para trabalhos específicos: Sansão {Jz 13.3-5), Davi(1 Sm 16.12,13), João Batista (Lc 1.13-17) e Paulo (Gl 1.15.16) foram chamados para realizar obras especificas para Deus. Qualquer que seja seu trabalho, faça para a glória de Deus (Fp 1.11). Se Deus lhe der uma tarefa especifica, aceite-a alegremente e cumpra-a com zelo.

2. UM PROFETA COMPROMETIDO COM DEUS
Devido ao seu chamado ministerial e sua vocação profética, o profeta Jeremias teve que amargar uma vida de muito sofrimento, pois estava comprometido com a visão que Deus lhe dera e sabia de sua responsabilidade, mais ele não se entregou, lutou até o fim, seus sofrimentos nos mostram que é possível obter triunfo em meio a dor e ainda assim se manter fiel ao Senhor. Vários foram os momentos angustiantes de Jeremias: Foi desprezado por seu próprio povo Jr. 12.6; Sofreu ferimentos e prisões Jr. 20.1-2; 33.1; Solidão Jr. 15.17; Padeceu nas mãos dos falsos Jr. 18.18; 20.9,10 e enfrentou perigo de morte Jr. 26.1-8. Observe como Jeremias se dispôs com coragem e amor pelo zelo da Palavra. Colocando-se muitas vezes em perigo e lutando bravamente, tudo por amor e para cumprir as ordens de seu Senhor.

2.1. O profeta da esperança
Jeremias iniciou seu ministério no reinado de Josias, um rei bom que adiou temporariamente o juízo de Deus prometido por causa do governo terrível de Manassés. Porém o cenário era inconstante, os acontecimentos mudavam de forma repentina. Apesar do rei Josias ter dado início uma reforma, a qual incluía a destruição dos lugares altos pagãos em Judá e Samaria, seu efeito não durou muito sobre o povo. Assurbanipal, o último grande rei assírio, morreu em 627 a.C. A Assíria estava enfraquecendo, e Josias expandindo o seu território para o norte. A Babilônia, sob o domínio de Nabopolasar, e o Egito, sob Neco, estavam tentando sustentar sua autoridade sobre Judá. Em 609 a.C, Josias foi morto em Megido ao tentar impedir o Faraó Neco de ir contra o que restava da Assíria. Três filhos de Josias (Joacaz, Jeoaquim e Zedequias) e um neto (Joaquim) sucederam-no no trono. O profeta Jeremias viu o disparate da política desses reis e alertou-os sobre os planos de Deus para Judá. Infelizmente, nenhum deles deu atenção à advertência. Jeoaquim foi abertamente hostil a Jeremias e destruiu um rolo enviado a ele, cortando-o em algumas colunas e jogando-as no fogo. (Jr 36.23). Zedequias foi um governante fraco e vacilante, buscando às vezes os conselhos de Jeremias, outras vezes permitindo que os inimigos de Jeremias o maltratassem e o aprisionassem. Apesar de todas as adversidades, Jeremias não deixou de cumprir sua missão, por mais difícil que foi a sua tarefa, ele permaneceu fiel ao seu chamado.

2.2. Chamado em tempos de crise
Jeremias era apenas um jovem quando foi chamado para transmitir uma severa mensagem ao seu povo. Era um dos períodos mais difíceis da história do povo judeu, o povo tinha se afastado do Senhor e seguido seus próprios caminhos, Deus o levanta o profeta Jeremias para ser uma testemunha a nação. A princípio tentou evitar essa missão, mas foi incapaz de permanecer calado. Naquele período o povo tornara-se tão corrupto sob Manassés que Deus resolveu dar um fim à nação. O povo seria levado ao cativeiro, onde certamente iria refletir o porque desse sofrimento. Porém depois do castigo e arrependimento apropriados, Deus traria uma remanescente de volta a Judá, puniria as nações que os havia punido e cumpriria a sua antiga aliança com Israel. E ainda lhes daria uma nova aliança e escreveria a sua lei em seus corações. O trono de Davi seria novamente estabelecido, e sacerdotes fiéis serviriam ao povo.

2.3. Desafios da chamada no mundo contemporâneo
Não podemos nos abater nem esfriar-se na fé antes a decadência moral e espiritual deste século. O profeta Jeremias diante de muitas adversidades cumpriu a sua missão de levar a Palavra ao povo. Da mesma forma, devemos cumprir a missão que nos confiou o Senhor Jesus, portando-se como homens de Deus resoluto e vencedor. É preciso ter coragem para enfrentar os desafios de nossa chamada, buscando agradar em tudo ao Senhor que nos salvou e convocou-nos para a peleja.

3. O PROFETA E A VONTADE DE DEUS
Veja como foi o chamado de Deus a Jeremias: Antes que te formasse no ventre te conheci, e antes que saísses da madre, te santifiquei; às nações te dei por profeta. (Jr 1.5). Jeremias se considerava “uma criança", alguém sem experiência para ser um profeta de Deus diante das nações (Jr 1.6). Mas o Senhor prometeu estar com ele. Não devemos permitir que sentimentos de incapacidade nos impeçam de obedecer a vontade de Deus. Deus prometeu estar com Jeremias e cuidar dele, mas não impediria que as dificuldades lhe sobreviessem. O Senhor não o livrou de prisões, deportação, nem de insultos. Deus não impedirá que enfrentemos as tempestades da vida, mas nos assistirá quando as enfrentarmos. Na verdade. Deus caminha conosco nas tempestades e nos resgata.

3.1. Escutando a voz de Deus
É muito importante discernir a voz do Senhor, não somente ouvir, mas ter a capacidade de ser obediente a Sua vontade. Observe que a missão de Jeremias não seria nada fácil, ainda mais contando que o profeta na ocasião de sua chamada era bastante jovem (Jr 1.6). Mas Deus disse que estaria com o profeta: “Não temas diante deles; porque estou contigo para te livrar, diz o Senhor”. (Jr 1.8). Confiando em Deus é que o profeta obteve coragem e força para proclamar a Sua mensagem. A promessa de Deus para Jeremias é também para nós, se formos obediente a Sua voz, nada poderá nos derrotar completamente; Ele nos ajudará em meio aos problemas mais difíceis. Enfrente cada dia, com a certeza de que Deus estará presente em sua vida e o ajudará a vencer as dificuldades.

3.2. Jeremias e seu encanto pela voz de Deus
Quando se ouve a voz de Deus é maravilhoso, mesmo que a pessoa queira ficar calada fica difícil, pois torna-se no coração um ardente desejo de querer compartilhar essa experiência com as outras. Jeremias clamou; misturou desespero e louvor, aliviando seu coração na presença de Deus. Ele havia proclamado a Palavra do Senhor fielmente, e nada recebeu além de perseguição e tristeza. Contudo, quando se calou por algum tempo, sentiu como se houvesse fogo em seus ossos, e não pôde mais contê-la. Quando a mensagem viva de Deus de perdão e amor tornar-se um fogo em nossos ossos, também nos sentiremos compelidos a partilhá-la com outros, independente dos resultados.

3.3. Uma história de fé e perseverança
Do começo ao fim do Antigo Testamento (de Moisés a Malaquias). Vemos que Deus enviou muitos profetas a Israel e a Judá. Não importa quão ruins as circunstâncias fossem, o Senhor sempre levantava um profeta para falar contra as rebeldes atitudes espirituais daquele povo. Jeremias foi perseverante ao seu chamado, serviu fielmente a Deus por 40 anos. Durante este período, o povo de Judá não atentou para sua mensagem, rejeitou e perseguiu. De acordo com os padrões humanos, a pregação de Jeremias foi um fracasso, embora ele não tenha falhado em sua tarefa, permanecendo fiel a Deus. Nosso sucesso não deve ser medido pela aceitação ou pela rejeição das pessoas. Somente a aprovação de Deus deve ser o padrão do nosso serviço. A fé e perseverança é fundamental na vida do crente. Devemos levar a mensagem do Senhor a outros, mesmo quando formos rejeitados. Devemos fazer a obra de Deus, ainda que isto signifique sofrer.

CONCLUSÃO
Mesmo diante das duras e desumanas condições, o profeta Jeremias cumpriu fielmente o seu ministério; proclamou a Palavra de Deus; combateu as iniquidades e chamou a nação ao arrependimento. Em nenhum momento recuou. Mostrou-se, em tudo um autêntico servo de Deus.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:
Bíblia de Estudo Aplicação Pessoal. Edição Revista e Corrigida, tradução de João Ferreira de Almeida, CPAD, 2008.

Bíblia de Estudo. Português. Atualizada da tradução de João Ferreira de Almeida, da Sociedade Bíblica do Brasil, 2010.

Bíblia Sagrada Shedd. São Paulo: Vida Nova, 2008.

Estudo bíblico – Pensando no profeta Jeremias. Pastor José Carlos Alexandre.

Lição bíblica CPAD. Mestre. 2º trimestre 2010. Jeremias - Esperança em tempos de crise.

REVISTA DO PROFESSOR: Jovens e Adultos. Jeremias – Deus convoca Seu povo ao arrependimento. Rio de Janeiro: Editora Betel – 2º Trimestre de 2017. Ano 27 n° 103. Lição 01 – O chamado de um profeta.

UNGER, Merrill Frederick. Manual Bíblico Unger. São Paulo: Vida Nova, 2006.

COMENTÁRIOS ADICIONAIS:
Pb. ANCELMO BARROS DE CARVALHO – Servo do Senhor Jesus Cristo.


Lição 01 - O chamado de um profeta

O CHAMADO DE UM PROFETA
(Lição 01 - 2 de abril de 2017)

TEXTO ÁUREO
Antes que te formasse no ventre, te conheci; e antes que saísses da madre, te santifiquei; às nações te dei por profeta” (Jr 1.5).

VERDADE APLICADA
É preciso que primeiro reconheçamos a vocação que nos é dada por Deus e, assim, cumprirmos a missão.

OBJETIVOS DA LIÇÃO
APRECIAR que Deus escolhe e capacita pessoas para Sua missão;
RECONHECER que a convocação tem que partir do Senhor;
MOSTRAR aos alunos que Deus conta com homens fiéis na Sua obra.

TEXTOS DE REFERÊNCIA
Jr 1.4 – Assim veio a mim a palavra do Senhor dizendo:
Jr 1.5 – Antes que te formasse no ventre, te conheci; e antes que saísses da madre, te santifiquei; às nações te dei por profeta.
Jr 1.6 – Então disse eu: Ah! Senhor Jeová! Eis que não sei falar; porque sou uma criança.
Jr 1.7 – Mas o Senhor me disse: Não digas: Eu sou uma criança; porque, aonde quer que eu te enviar, irás; e tudo quanto te mandar, dirás.
Jr 1.7 – Não temas diante deles, porque eu sou contigo para te livrar, diz o Senhor.

Os últimos dias serão tempos trabalhosos e de apostasia - Comentários Adicionais

OS ÚLTIMOS DIAS SERÃO TEMPOS TRABALHOSOS E DE APOSTASIA
(Lição 13 - 26 de Março de 2017)

TEXTO ÁUREO
"Portanto, nós também, pois que estamos rodeados de uma tão grande nuvem de testemunhas, deixemos todo o embaraço e o pecado que tão de perto nos rodeia, e corramos, com paciência, a carreira que nos está proposta” (Hb 12.1).

VERDADE APLICADA
Para vencer nos últimos dias, é necessário permanecer seguindo as Sagradas escrituras.

OBJETIVOS DA LIÇÃO
ANUNCIAR o perfil da geração vindoura e sua malignidade;
EXPOR as três classes mais degradantes da geração dos últimos dias;
MOSTRAR como a verdade divina prevalecerá sobre as trevas da mentira.

TEXTOS DE REFERÊNCIA
2 Tm 3.1 – Sabe, porém, isto: que nos últimos dias sobrevirão tempos trabalhosos.
2 Tm 3.2 – Porque haverá homens amantes de si mesmos, avarentos, presunçosos, soberbos, blasfemos, desobedientes a pais e mães, ingratos, profanos,
2 Tm 3.3 – Sem afeto natural, irreconciliáveis, caluniadores, incontinentes, cruéis, sem amor para com os bons,
2 Tm 3.4 – Traidores, obstinados, orgulhosos, mais amigos dos deleites do que amigos de Deus,
2 Tm 3.5 – Tendo aparência de piedade, mas negando a eficácia dela. Destes afasta-te.

INTRODUÇÃO
O desafio dessa última lição do trimestre é retratar sem retoques a infeliz realidade dos últimos dias, cujo período de tempo retrata a aproximação da Segunda vinda de Cristo e a consumação final. Nunca ocorreu em toda a história, uma época semelhante ao que estamos vivendo na atualidade, onde é nítida a ausência de valores, de decoro, de vergonha, de moral, de princípios, de caráter, de temor a Deus e etc. O Apóstolo Paulo descreve esse tempo como sendo dias trabalhosos e difíceis de serem suportados (2 Tm 3.1). Serão dias marcados pela apostasia, não apenas no campo teológico ou doutrinário (1 Tm 4.1), mas, principalmente no campo da moralidade onde o modo de vida dos homens são resultados de inversões de valores espirituais, morais e éticos, inclusive, entre os que se dizem piedosos (2 Tm 3.5). Como autênticos cristãos, precisamos estar alicerçados na Palavra de Deus para resistir as forças do mal que estão vindos com força total sobre nós, sobre nossas famílias e contra o Evangelho (1 Tm 4.1; 2 Tm 3.1; 2 Pe 3.3-7).

1. A MALIGNIDADE DA GERAÇÃO DOS ÚLTIMOS DIAS
Infelizmente, essa geração não está sendo marcada apenas pela explosão do conhecimento ou pelas invenções tecnológicas, mas também, pelos comportamentos e atitudes imorais e extremamente malignas (2 Ts 2.1-12, Rm 1.18-31). O quadro caótico foi bem desenhado pelo apóstolo Paulo e retrata com clareza o comportamento dos seres humanos e da sociedade destes últimos dias: maligna, imoral, sem lei (cada um faz o que bem entende), violenta e dada aos prazeres (2 Tm 3.1-5; 2 Ts 2.1-12, Rm 1.18-31). Em suma, essa malignidade serão ladeados por três tipos de sentimentos: humanismo (amor a si mesmo), materialismo (amor ao dinheiro) e hedonismo (amor ao prazer).

1.1. Homens amantes de si mesmos
A primeira lista de permissividade nos comportamentos humanos apresentado pelo Apóstolo Paulo é o amor próprio em substituição ao amor a Deus e ao próximo. Esse comportamento pecaminoso é a chave que abre caminho para todas as demais impiedades e ações profanas praticadas pelo homem. As demais irão apenas ilustrar o caráter essencialmente ilícito, amoral e animal daqueles que rejeitam a direção de Deus sobre suas vidas. Jesus disse que os maiores mandamentos são: amar a Deus de todo coração e ao próximo como a si mesmo (Mt 22.35-39). Portanto, a expressão “amantes de si mesmo” é uma forma de caracterizar aqueles que fazem de tudo para satisfazer seus desejos egoístas e buscam a todo custo honras, glórias e louvores para si mesmo. O “egoísmo” é uma forma de amor próprio. É a preferência do “eu” ao invés de Deus e do próximo. Essa característica é resultado da escolha e da forma como as pessoas passaram a enxergar Deus, a si mesmo, os outros e o mundo (1 Jo 2.16). A Bíblia não só condena esse comportamento ou sentimento maligno, como também o trata como idolatria, uma adoração própria (2 Ts 2.3-4; 2 Tm 3.4).

1.2. Homens presunçosos e soberbos
O termo presunçoso é sinônimo de pretensioso, que é quase equivalente a soberbo (Lc 1.51; Tg 4.6). Pessoas presunçosas e soberbas geralmente são aquelas que tem opiniões elevadas de si mesma, ou que, se julgam melhores do que os outros. São pessoas ridiculamente vaidosas e arrogantes e que se acham grandiosas, quando na maioria das vezes vivem apenas de aparências. Se gloriam de seus próprios atos e realizações com a finalidade de impressionar as pessoas. Geralmente, são adeptos do culto à personalidade e desejam ardentemente fama e projeção social.

1.3. Homens desobedientes aos pais
A lista dos males praticados pelos homens nos últimos tempos, traz também a “desobediência aos pais” como uma degradação dos últimos dias (2 Tm 3.2). A verdade é que atualmente a rebeldia dos filhos tem entristecido o coração de muitos pais. Infelizmente, muitos pais cristãos tem sentido a dor de ver seus filhos ou filhas adolescentes os abandonarem, em busca dos prazeres cruéis deste mundo, ou sentido o impacto de ver um filho viciado em drogas, e/ou ter uma filha solteira grávida, etc. O impressionante sobre a desobediência é que os pais não precisa ensiná-los, eles aprendem por si só (Pv 22.15). Mas, sobre a obediência é necessário que os pais dediquem boa parte de seu tempo a ensiná-los (Pv 22.6; Ef 4.6). Diante disto, não podemos deixar de corrigir nossos filhos por medo de que eles não suportem e/ou deixar de dizer "não" por receio de que eles irão deixar de nos amar. O “não” faz parte do aprendizado do ser humano desde Adão. Se não estabelecermos limites aos filhos desde cedo, um dia a policia e o judiciário o fará, de forma rígida e ríspida. Lógico que a aplicação de qualquer corretivo deve ser feito com sabedoria, moderação e responsabilidade, consciente de que ela será para o bem-estar da personalidade e do caráter do filho (Hb 12.6-11).

2. A ESCÓRIA DE UMA GERAÇÃO
Escória é um termo pejorativo utilizado para classificar aquilo que é lixo, desprezível e sem valor. Portanto, escória de uma geração, aqui, significa a parte vil da sociedade dos dias atuais, cujo comportamento o faz tornar desprezível e sem valor. A verdade é que na presente geração os homens se gabam de seus conhecimentos e feitos tecnológicos. Mas, não percebem que em virtude de uma vida sem Deus e progressiva prática do pecado, estão sendo conduzido a uma regressão cada vez mais na sabedoria, na retidão, na ética e na moralidade (Rm 2.28; 3.9-18; Ef 4.17-31).

2.1. Amigos dos deleites e inimigos de Deus
Outro comportamento destacado por Paulo dos últimos dias é que os homens se tornarão mais amigos dos deleites do que amigos de Deus. O modo de vida dos homens atuais é baseado no “hedonismo”, cujo sistema doutrinário e filosófico ensina que o prazer individual e imediato é o supremo bem da vida. Deus deixa de ser relevante em suas vidas, pois para eles o importante é ter, comer, beber, folgar ou ter prazer. É por isto que as pessoas estão buscando cada vez mais “as delícias da vida” e os prazeres mundanos, sem se importar de “onde vem” ou para “onde os levará”. Dizem que o importante é serem “felizes” e aproveitar o máximo os “momentos agradáveis” da vida. Lamentavelmente, não dão a mínima para Deus ou para as coisas que vem de Deus, pois “vão de encontro” ao que eles mais desejam: Ter prazer em tudo que o mundo oferece.

2.2. Apenas aparência de piedade
Paulo finaliza suas palavras apocalípticas sobre os últimas dias alertando sobre o aparecimento de um grupo de homens ímpios que se juntarão aos santos. Homens sem fé que professam ter fé. Homens que tem aparência de piedade, mas não tem a eficácia dela. A parte mais dolorosa de tudo isso é saber que esses homens estão ao redor ou dentro de nossas igrejas. Todavia, o apostolo Paulo nos chama a atenção dizendo que apesar destas pessoas estarem próximas e terem aparência de piedade, a sua conduta não serão conforme as suas palavras. Elas maquiam seus caminhos para entrar e seduzir aqueles que são vulneráveis, cheios de culpas e que se deixam levar por toda sorte de desejos (2 Tm 3.6-9). Infelizmente, não são poucos os crentes que se enquadram nessa advertência. Inchados em seu conhecimento (1 Co 5.1-2), preferem seguir suas vãs filosofias, manipulando a seu gosto a Palavra de Deus e introduzindo sob a influencia de espíritos malignos suas heresias no meio do povo de Deus(Cl 2.8).

2.3. Que sempre aprendem, mas desconhecem a verdade
Desconhecer a verdade, apesar de estar sempre aprendendo é fato comum nos dias atuais, principalmente, no meio cristão. Na verdade o que falta é disposição de viver e aceitar a verdade de Deus(Rm 1.18,28). A vontade própria impede que a vida de muitos cristãos sejam direcionados pela vontade de Deus, além do mais, a luz das Escrituras revelam a maldade de suas ações e vão de encontro aos seus desejos. O Senhor já dizia por intermédio do sábio pregador: “Porquanto aborreceram o conhecimento e não preferiram o temor do Senhor; não quiseram o meu conselho e desprezaram toda a minha repreensão. Portanto, comerão do fruto do seu caminho e fartar-se-ão dos seus próprios conselhos”(Pv 1.29-31). A busca do conhecimento não pode ser desassociada da busca da verdade e de Deus. A Bíblia diz que é o temor do Senhor que abre a porta para o conhecimento intelectual e o crescimento espiritual(Pv 1.7; 9.10).

3. RESPLANDECENDO EM MEIO À CORRUPÇÃO
Na Bíblia a Luz é usada como metáfora que denota a nossa influência para o bem no mundo. Resplandecer em meios as trevas é o grande desafio dos cristãos neste mundo tomado pela perversidade e corrupção. Vivemos em um tempo onde as questões morais e éticas não tem sido levadas a sério e os padrões errados estão sendo disseminados como se fossem corretos. É nessa hora que devemos mostrar ao mundo, quem está em trevas, e quem tem a luz de Cristo em seu viver. Resplandecer é viver a luz de Cristo em suas vidas e deixar que essa luz dissipe as trevas. O Apóstolo Paulo escrevendo aos Filipenses disse que devemos, como filhos de Deus, nos tornar puros e irrepreensíveis no meio dessa geração corrompida e depravada e brilhar como estrelas no universo, retendo firmemente a palavra da vida. Se assim agirmos, na vinda de Cristo, poderemos nos orgulhar de não ter corrido em vão e nem de ter se esforçado inutilmente, disse ele. Além disto, devemos ter gratidão em nossos corações e não a murmuração. Devemos promover a paz e não à discórdia. Agindo assim seremos tal qual espelho que reflete a luz de Cristo por onde quer que andemos (Fp 2.14-16).

3.1. Permanecendo na sã doutrina
Sã doutrina é a revelação e o conselho de Deus por meio das Sagradas Escrituras, e representa o alicerce e o sustentáculo da verdadeira fé cristã. Paulo deixa claro para os cristãos que é importante não apenas saber, como também, perseverar na sã doutrina (2 Tm 3.14-15). Em vez de fazer com que a Palavra de Deus seja difamada através de condutas pecaminosas, devemos evidenciar a doutrina de Cristo através de um viver de acordo com a sã doutrina (Tt 2.10-14). Não se pode externar a sabedoria da sã doutrina se não a vive. A grande verdade do evangelho é que para nos tornar parte deste povo precisamos deixar a impiedade e as paixões pecaminosas do mundo e viver de acordo com a sã doutrina.

3.2. Fazendo valer a posição para a qual foi chamado
Para que a vida de um crente seja agradável a Deus é preciso que ele esteja fazendo valer a posição para a qual foi chamado. Paulo escrevendo aos Efésios, disse: “Rogo-vos, pois, eu, o prisioneiro no Senhor, que andeis de modo digno da vocação a que fostes chamados”(Ef 4.1). O modo de vida atual costuma enfatizar somente aquilo que é passageiro, desprezando aquilo que é eterno. Os cristãos da atualidade estão seguindo esta mesma tendência, esquecendo que a nossa verdadeira Pátria está nos Céus, como bem disse Paulo: “Pois a nossa pátria está nos céus, de onde também aguardamos o Salvador, o Senhor Jesus Cristo, o qual transformará o nosso corpo de humilhação, para ser igual ao corpo da sua glória, segundo a eficácia do poder que ele tem de até subordinar a si todas as coisas” (Fp 3.20-21). No discurso atual, parece que o mundo está tão bom, e que o povo de Deus está tão próspero, que a volta de Jesus se tornou irrelevante. Atrevo-me a dizer que, se Jesus voltar hoje, estragará os projetos de muitos crentes.

3.3. Não se tornando insípido
O sal, assim como a luz, é uma metáfora que denota nossa influência para com o mundo (Mt 5.13-16). Foi por causa de sua natureza e do alcance de sua influência no mundo, que Jesus utilizou a metáfora do sal para comparar os discípulos e os cristãos em todo o mundo. Somos chamados a ser um diferenciador moral em um mundo onde os valores e padrões morais são baixos, instáveis ou até inexistentes. Assim como o sal, o crente que perde a sua propriedade de salgar não serve nem mesmo para ser pisado. Em certa ocasião, Jesus disse: “... Tende sal em vós mesmo...” (Mc 9.49-50). A salinidade do cristão nada mais é do que o seu caráter e testemunho, visível através de ações e palavras. A influência do cristão na sociedade está na sua capacidade de ser diferente daqueles que não são cristãos. Caso, contrário, se formos indistinguíveis dos não cristãos, seremos inúteis. Tornar insípido é ser influenciado ao invés de influenciar.

CONCLUSÃO
À medida que se aproxima a vinda de Jesus, mais os dias serão tenebrosos e insuportáveis (Rm 1.28; 2 Tm 3.1-5; Hb 3.12; Is 5.20). Portanto, nesses tempos trabalhosos, precisamos orar e vigiar com mais seriedade, para que não sejamos tragados pela onda de apostasia e insensibilidade espiritual. Somente com um profundo quebrantamento espiritual e uma vida sempre renovada no Espírito Santo é que poderemos estar em condições de aguardar a vinda de Jesus Cristo de modo santo e de conformidade com a Sua Palavra.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:
REVISTA BETEL DOMINICAL: Jovens e Adultos. Aprendendo com as Gerações Passadas. Rio de Janeiro: Editora Betel – 1º Trimestre de 2017. Ano 27 n° 102. Lição 13 – Os últimos dias serão trabalhosos e de apostasia.

BÍBLIA DE ESTUDO NOVA VERSÃO INTERNACIONAL. Português. Tradução das Notas de Gordon Chown – Editora Vida. 2001.

BÍBLIA. Português. Bíblia Estudo Aplicação Pessoal. Rio de Janeiro: CPAD, 1995.

LIÇÕES BÍBLICAS – Jovens e Adultos. Rio de Janeiro: Editora CPAD. 2º Trimestre de 2007. Tempos Trabalhosos. Como enfrentar os desafios deste século.

LIÇÕES BÍBLICAS – Jovens e Adultos. Rio de Janeiro: Editora CPAD. 4º Trimestre de 2005. E agora, como viveremos? A resposta cristã para tempos de crise e calamida moral.

LIÇÕES BÍBLICAS. Maturidade Cristã nº 11 - Jovens e Adultos. Rio de Janeiro: Editora CPAD. 3º Trimestre de 1987. A Família e o Lar.

REVISTA JOVENS E ADULTOS. Desafios da Igreja. O que a Igreja de Jesus precisa preservar nos dias atuais. Rio de Janeiro: Editora Betel - 2º Trimestre de 2011. Ano 21 n° 79.

COMENTÁRIOS ADICIONAIS:
Pr. Osmar Emídio de Sousa
Servidor Público Federal; Bacharel em Direito pela faculdade PROJEÇÃO; Bacharel em Missiologia pela antiga Escola Superior de Missões de Brasília; bacharel em Teologia Pastoral, pela FATAD (Faculdade de Teologia das Assembleias de Deus de Brasília); Pastor credenciado na CONAMAD e membro na AD316, Subsede da ADTAG.

Lição 13 - Os últimos dias serão tempos trabalhosos e de apostasia

OS ÚLTIMOS DIAS SERÃO TEMPOS TRABALHOSOS E DE APOSTASIA
(Lição 13 - 26 de Março de 2017)

TEXTO ÁUREO
Portanto, nós também, pois que estamos rodeados de uma tão grande nuvem de testemunhas, deixemos todo o embaraço e o pecado que tão de perto nos rodeia, e corramos, com paciência, a carreira que nos está proposta” (Hb 12.1).
VERDADE APLICADA
Para vencer nos últimos dias, é necessário permanecer seguindo as Sagradas escrituras.

OBJETIVOS DA LIÇÃO
ANUNCIAR o perfil da geração vindoura e sua malignidade;
EXPOR as três classes mais degradantes da geração dos últimos dias;
MOSTRAR como a verdade divina prevalecerá sobre as trevas da mentira.

TEXTOS DE REFERÊNCIA
2 Tm 3.1 – Sabe, porém, isto: que nos últimos dias sobrevirão tempos trabalhosos.
2 Tm 3.2 – Porque haverá homens amantes de si mesmos, avarentos, presunçosos, soberbos, blasfemos, desobedientes a pais e mães, ingratos, profanos,
2 Tm 3.3 – Sem afeto natural, irreconciliáveis, caluniadores, incontinentes, cruéis, sem amor para com os bons,
2 Tm 3.4 – Traidores, obstinados, orgulhosos, mais amigos dos deleites do que amigos de Deus,
2 Tm 3.5 – Tendo aparência de piedade, mas negando a eficácia dela. Destes afasta-te.