Pessoas que acompanham nosso site

8 de fevereiro de 2016

Cultivando o diálogo, a renuncia e a tolerância - Comentários Adicionais

Cultivando o diálogo, a renúncia e a tolerância
(Lição 07 - 14 de Fevereiro de 2016)

Texto Áureo

“Para se conhecer a sabedoria e a instrução; para se entenderem as palavras da prudência” (Pv 1.2).

Verdade Aplicada

O homem sábio é aquele que ou­ve e pratica a Palavra de Deus. Ele constrói sua casa e seus relaciona­mentos sobre fundamento sólido.

Objetivos da Lição

Deixar claro que o diálogo é a base de qualquer relacionamento humano;

Explicar que em todas as áreas da vida é preciso renunciar a algu­ma coisa;

Ressaltar que aprender a ser to­lerante com as outras pessoas é um dever cristão.

Textos de Referência

Ef 4.2 - Com toda a humildade e mansidão, com longanimidade, suportando-vos uns aos outros em amor,

Ef 4.3 - Procurando guardar a unidade do Espírito pelo vínculo da paz.

Fp 2.2 - Completai o meu gozo, para que sintais o mesmo, tendo o mesmo amor, o mesmo ânimo, sentindo uma mesma coisa.

Fp 2.3 - Nada façais por contenda ou por vangloria, mas por humil­dade; cada um considere os outros superiores a si mesmo.

Fp 2.4 - Não atente cada um para o que é propriamente seu, mas ca­da qual também para o que é dos outros.

INTRODUÇÃO

O diálogo, a renúncia e a tolerância são virtudes básicas na construção de relacionamentos eficazes, sólidos e duradouros. No entanto, elas são como plantas que precisam ser cultivadas e regadas para se manterem vivas e renováveis. É o exercício dessas virtudes que nos condicionam a experiências de conhecimento, aproximação e comunhão uns com os outros. Em regra, para haver tolerância é imprescindível que haja diálogo, e para haver diálogo, é necessário que haja renúncia, disposição e coragem para ir ao encontro do outro. É claro que todo e qualquer relacionamento tem seu próprio conjunto de questões que precisam ser trabalhadas. No entanto, estudos sobre relacionamentos comprovam que grande parte dos problemas e conflitos acontece pela ausência do cultivo e da prática dessas virtudes.

1. A EFICÁCIA DO DIÁLOGO NA COMUNICAÇÃO

Existem inúmeras formas de comunicação. No entanto, o diálogo é o que se tem mostrado mais eficaz. Nós precisamos aprender a cultivar a comunicação e principalmente o diálogo em nossos relacionamentos. A vida moderna tem contribuído para a falta de diálogo nas relações, principalmente nas familiares. É importante pararmos e refletirmos um pouco sobre este assunto, pois existem famílias, vivendo debaixo do mesmo teto, que ao se comunicarem trocam mensagens de texto pelo celular, e-mails e facebook, ao invés de dialogar. Em outras, ela nem existe, e quando existe, é na forma “telegráfica”, isto é, numa comunicação concisa e indefinida com expressões como: “oi”, “sim”, “já sei”, “não vou”, “tá”, “vamo ver”, “entendi”, “quem sabe”, “mais tarde”, etc. Isso não é diálogo! Quando muito é um monólogo! E, monólogo, como bem disse o comentarista da lição, é insuficiente para duas ou mais pessoas se relacionarem. Na família, na igreja ou em qualquer outra comunidade o diálogo pode fazer milagres. Vamos gastar um pouco mais do nosso tempo cultivando o diálogo!

1.1.    Ouvir e falar no momento certo

A comunicação é importante para o sucesso de qualquer indivíduo, entretanto, só falar e não saber ouvir pode resultar em fracassos. Saber ouvir é um processo imprescindível para que ocorra uma comunicação eficiente. Como disse o comentarista da lição: “diálogo é saber ouvir e falar no momento certo”. Ser comunicativo pode render alguns pontos positivos, entretanto, falar demais e não saber ouvir pode render alguns pontos negativos. No nosso dia a dia ouvimos muito, mas escutamos pouco. Quando apenas ouvimos não damos a atenção necessária, simplesmente captamos a sucessão de sons que são produzidos ao nosso redor. Porém, quando paramos para escutar nossos sentidos e atenção se encontram focados no que estamos ouvindo. Entender, compreender, reconhecer, perceber, esforçar, respeitar, parar, dar atenção, valorizar, etc são algumas atitudes utilizadas para o simples e ao mesmo tempo complicado processo de saber ouvir o outro. Saber ouvir não significa simplesmente captar os sons da voz ou acompanhar o raciocínio do interlocutor. Significa antes de tudo, compreensão, paciência e tolerância para aceitar os outros como eles são, com suas qualidades e defeitos, quer nos seja agradáveis ou desagradáveis. Significa a capacidade de saber escutar. Afinal sem ela não há diálogo que se efetive. Portanto, o perfeito equilíbrio entre saber ouvir e saber falar é que faz surgir o verdadeiro diálogo.

1.2.    Promover a edificação

O diálogo além de ter clareza e objetivo precisa também promover a edificação. O diálogo deve visar o bem-estar emocional, físico e/ou espiritual do outro e de si mesmo. Por isso, para um produtivo diálogo, devemos primeiro querer dialogar e esse “querer” precisa ser um desejo, uma vontade que não nos fará desistir com os primeiros obstáculos. Depois precisamos exercitar a flexibilidade, colocando-nos no lugar do outro. Ouvir com atenção, sem cortes e sem reprovação pode ser tudo o que a outra pessoa precise naquele momento. Portanto, tenha paciência e crie condições favoráveis para que o outro possa expressar livremente suas ideias, opiniões e sentimentos. Saiba lidar com as discordâncias e evite deixar-se dominar por algo que o desagrada.

1.3.    Verdade, educação e respeito

A base para o diálogo produtivo será sempre a verdade, mas a forma de expressar essa verdade precisa ser feita com amor, sinceridade, educação e respeito. No exercício do diálogo a mentira nunca poderá encontrar espaço e nem faltar cordialidade e respeito. Nosso grande problema com o diálogo é que expressar a verdade nem sempre é fácil, exige esforço e requer de seus transmissores disposição e coragem. Só em pensar que numa conversa aberta será preciso falar algo que a outra pessoa necessite ouvir, ou, ter que ouvir o que o outro tem a dizer, cria obstáculos e desestimula o exercício e o cultivo do diálogo! Todavia, ele é necessário, ainda, que momentaneamente, venha causar desconforto, doer ou machucar! Nos relacionamentos, principalmente os conjugais e familiares, pequenos problemas surgem e precisam ser resolvidos com diálogos. Quando deixamos de resolver alguma pendência, por mais simples que ele seja, poderá prejudicar a relação e no futuro se tornar um grande problema. Precisamos ter coragem e disposição de abrir-se para o outro, comungar com a nossa realidade e está sempre disponível a dialogar.

2.    A VIDA É MARCADA POR RENÚNCIAS

Assim como na vida cristã precisamos abrir mão de algumas coisas para conquistar a vida eterna, nas outras áreas da vida também precisamos fazer o mesmo. Sempre teremos de abrir mão de alguma coisa em detrimento de outras. Se a vida, em todos os seus aspectos, requer de nós renúncias, com a vida conjugal não é diferente. Bíblia diz que quando um homem e uma mulher se casam, torna-se uma só carne (Gn 2.24; Ef 5.31), o que significa dizer que cada um dos cônjuges deve aprender a renunciar a si mesmo em prol de sua outra metade. Até com o diálogo, uma de suas condições é a renuncia. Só existirá diálogo quando os seus interlocutores se despojarem, renunciarem e/ou submeterem-se à exigência da realidade e da verdade. Enfim, se queremos ser bem sucedidos construindo uma vida sólida e um bom relacionamento, precisamos aprender a renunciar. Deus espera que estejamos prontos a renunciar o que for necessário para obter algo melhor no nosso relacionamento, quer seja com Ele, com o nosso cônjuge, com nossos filhos, com nossos irmãos e etc.

2.1.    O fortalecimento da harmonia

Todos nós somos responsáveis e co-responsáveis pelo estado em que se encontra o nosso relacionamento, quer seja conjugal, familiar ou social. O equilíbrio e o fortalecimento da harmonia em nossos relacionamentos dependem de nossas disposições em aceitar, decidir e renunciar. Geralmente, quando um relacionamento entra em crise, principalmente o conjugal, o que costumamos ver é sempre um acusando o outro. Isto porque é muito mais fácil acusar o outro e culpá-lo pela crise do que fazer uma reflexão e verificar se há alguma falha dentro de nós. Achamos que o problema está sempre no outro e queremos que eles renunciem e mudem suas atitudes. Mas o que não atentamos é para o fato de que nós mesmos precisamos renunciar e mudar! Renuncie suas posições radicais, mude suas atitudes e seu relacionamento se fortalecerá. Você só irá conseguir as mudanças desejadas no outro e principalmente no cônjuge quando você renunciar e procurar mudar a si mesmo. Então, ao invés de viver pensando que o outro é que tem de mudar. Mude a si próprio. Jesus no Sermão do Monte, disse: “Por que você repara no cisco que está no olho de seu irmão (ou cônjuge), e não dá conta da viga que está em seu próprio olho? Como você pode dizer ao seu irmão (ou cônjuge): ‘Deixe-me tirar o cisco do seu olho’, quando há uma viga no seu? Hipócrita, tire primeiro a viga do seu olho, então você verá claramente para tirar o cisco do olho do seu irmão (ou cônjuge)” (Mt 7.3-5). O princípio aqui é claro: você precisa começar com a viga em seu próprio olho. Aqui Jesus não disse que não há nada de errado com o outro ou com seu cônjuge. Ao contrário, Ele admite que há quando disse: “Quando você tiver tirado a viga do próprio olho, poderá ver mais claramente e tirar o cisco do olho do seu irmão (ou cônjuge)” (Mt 7.5). Sei que não é fácil aprender a lidar primeiro com as próprias falhas, renunciar e/ou mudar, mas é necessário se queremos manter harmonia em nossos relacionamentos. Se de fato desejamos que nossa esposa, nossos filhos, nosso irmão, etc mudem devemos estar dispostos a tratar primeiro dos nossos defeitos, depois esvaziar de si mesmo (renunciar) e se preciso mudar. A vida nos proporciona imensas oportunidades de aprendizado e de mudanças, mas as verdadeiras mudanças se concretizam pela renúncia!

2.2.    Um dever para os casados

A renúncia não é uma mera escolha para os casados, mas um dever. Um dos males que mais destrói relacionamentos é sem dúvida o egoísmo. No relacionamento conjugal, a renúncia se caracteriza pela busca do interesse do outro (Fp 2.4-5). Requer que o “eu” de antes, quando solteiro, se torne o “nós” depois de casados. Aquele que não age desta forma, mas age sozinho e busca seu próprio interesse, pode pensar que é esperto e vai se dar bem! Porém, a verdade é que este, segundo a Bíblia, é pior do que o incrédulo e negou a fé. Infelizmente, muitos cristãos ainda não entenderam o porquê das coisas darem erradas em suas vidas e nem a razão das promessas de Deus estar tão distantes de se cumprirem no seio de suas famílias. Não aprenderam ainda a renunciar as tolices, a vaidade, a soberba, a dureza de coração, os pontos de vistas estritamente pessoais no relacionamento, e etc (Pv 18.1; 24.3).

2.3.    Deve partir dos dois lados

A felicidade conjugal só é alcançada através de muitos investimentos e poucas cobranças, muitos elogios e poucas críticas. Por isso, não pode haver estrutura sólida em uma relação conjugal se não houver muitos esforços e constantes renúncias de ambos os lados. Não devemos se apegar com unhas e dentes ou insistir com posicionamentos que “achamos” está correto, em detrimento de desavenças, mágoas e ressentimentos que pode trazer ruínas ao relacionamento. Nossa vida é curta e não devemos gastar grande parte dela com “picuinhas” ou “tolices” que não levam a nada, a não ser discórdia, ressentimentos e infelicidade. Devemos, sim, aproveitar bem nosso curto tempo, procurar ser feliz e colaborar com a felicidade e o bem-estar das pessoas que estão ao nosso lado. Sei que existem muitos cristãos que tem dificuldade em praticar o principio de renunciar em favor do outro. Talvez por acharem que o fato de renunciar alguma coisa, esteja anulando a si mesmo. Mas, quem te disse que “abrir mão de alguma coisa” em benefício de outro, significa anular a si mesmo? Nossa vida não é um produto acabado ou em último estágio de acabamento. Nossa vida está em constante transformação e a renúncia está diretamente ligada a esse processo de transformação. A verdade é que somos desafiados todos os dias não só a renunciar as coisas inconvenientes, mas, também de agregarmos valores importantes à nossa vida. E, isso faz nossa vida ser interessante! 

BREVE POSTAREMOS O RESTANTE DOS COMENTÁRIOS

Lição 07 - Cultivando o diálogo, a renuncia e a tolerância

Cultivando o diálogo, a renúncia e a tolerância
(Lição 07 - 14 de Fevereiro de 2016)

Texto Áureo

 “Para se conhecer a sabedoria e a instrução; para se entenderem as palavras da prudência” (Pv 1.2).

Verdade Aplicada

O homem sábio é aquele que ouve e pratica a Palavra de Deus. Ele constrói sua casa e seus relacionamentos sobre fundamento sólido.

Objetivos da Lição

Deixar claro que o diálogo é a base de qualquer relacionamento humano;

Explicar que em todas as áreas da vida é preciso renunciar a alguma coisa;

Ressaltar que aprender a ser tolerante com as outras pessoas é um dever cristão.

Textos de Referência

Ef 4.2 - Com toda a humildade e mansidão, com longanimidade, suportando-vos uns aos outros em amor,

Ef 4.3 - Procurando guardar a unidade do Espírito pelo vínculo da paz.

Fp 2.2 - Completai o meu gozo, para que sintais o mesmo, tendo o mesmo amor, o mesmo ânimo, sentindo uma mesma coisa.

Fp 2.3 - Nada façais por contenda ou por vangloria, mas por humildade; cada um considere os outros superiores a si mesmo.

Fp 2.4 - Não atente cada um para o que é propriamente seu, mas cada qual também para o que é dos outros.

2 de fevereiro de 2016

Vivendo a felicidade no lar - Comentários Adicionais

VIVENDO A FELICIDADE NO LAR
(Lição 06 - 7 de Fevereiro de 2016)

Texto Áureo

“A tua mulher será como a videira frutífera aos lados da tua casa; os teus filhos, como plantas de oliveira, à roda da tua mesa.” (Sl 128.3).

Verdade Aplicada

A felicidade é a busca de todo homem e é a sua maior motivação. Como Deus é a fonte da felicidade, podemos alcançá-la praticando o temor a Ele e a obedi­ência à Sua Palavra.

Objetivos da Lição

Mostrar que a família é o maior bem que a sociedade tem;

Destacar que o plano de Deus pa­ra a humanidade está centrado na família;

 Ressaltar que aceitar Deus no casamento é receber a Sua graça e fazer com que a família seja estruturada e feliz.

Textos de Referência

Sl 128.1 - Bem-aventurado aquele que teme ao SENHOR e anda nos seus caminhos.

Sl 128.2 - Pois comerás do trabalho das tuas mãos; feliz serás, e te irá bem.

Sl 128.3 - A tua mulher será como a videira frutífera aos lados da tua casa; os teus filhos, como plantas de oliveira, à roda da tua mesa.

Sl 128.4 - Eis que assim será aben­çoado o homem que teme ao Senhor.

Sl 128.5 - O Senhor te abençoará desde Sião, e tu verás o bem de Je­rusalém em todos os dias da tua vida.

Sl 128.6 - E verás os filhos de teus filhos e a paz sobre Israel.

Introdução

O projeto de Deus para a família é que a felicidade seja reconquistada a cada momento com amor e cumplicidade entre todos seus membros. E que procure manter uma vida de santidade, e comunhão com Deus, não desprezando o que Deus criou com grande particularidade como a sua imagem e semelhança e que pudesse viver a verdadeira felicidade que é dada por Deus!

1. Mulher: Videira Frutífera

Uma vez que as uvas era cultura de subsistência na palestina, vemos a mulher com essa analogia tão linda sendo comparada no (Sl 128) a uma videira, àquela que subsiste a qualquer situação no lar, que radia alegria e que suas virtudes são como frutos para a sobrevivência da família (Sl 80.8). Dessa forma a mulher que teme ao Senhor é comparada a uma videira plantada bem ao lado de sua casa, que com dedicação, uma vida cristã exemplar, procurando manter um relacionamento de proximidade com seu cônjuge, membros da família e principalmente de intimidade com seu criador “Deus”, será exemplo de serva fiel para todos que estão a sua volta.  Esta mulher sim é comparada a uma videira frutífera, suas palavras são dóceis como mel, ela é como sombra para o descanso do calor, sua família sente protegida ao seu lado, mesmo quando tudo parece estar desmoronando essa mulher possui uma doçura que com sabedoria contorna qualquer situação. Mesmo que suas folhas pareçam estar secas e sem vida, olhando entre suas ramagens podemos enxergar muitos frutos dóceis que colhidos serão de grande utilidade para sobrevivência espiritual, material e emocional de sua casa.

1.1.    Polivalência da Mulher

A mulher, com seu espírito polivalente têm ao mesmo tempo desempenhados muitas funções. Em Provérbios, capítulo 31 e verso 27, ela olha para o governo da sua casa e não come o pão da preguiça. Como cristã possui virtudes muito importantes dentro do seu lar. Com determinação e coragem consegue controlar e maximizar seu tempo, organizando as tarefas, dando atenção à família nas mais variadas atividades que existe dentro de uma casa. Administrar um lar dentro dos preceitos divinos não é tarefa tão fácil, mas com a graça de Deus e oração, esses desafios serão enfrentados e todas as coisas serão conquistadas através de um relacionamento íntimo com o eterno. Não existem formas mágicas ou mirabolantes, é necessário enfrentar a afronta do inimigo todos os dias e procurar viver uma vida de cuidado, lembrando sempre que é comparada à videira, o qual simboliza alegria e produz fontes de nutrientes para toda família. Existe uma parábola bíblica que conta a história de uma videira em Israel que produzia frutos selvagens e sem valor. Devemos ter muito cuidado com os frutos que produzimos, não basta ser videiras, os frutos devem ser agradáveis. Algumas vides em Israel pareciam ser excelentes, mas seus frutos não eram bons para o consumo. Pelo contrário, era chamada de frutos bravos. Os frutos na vida de uma mulher cristã representam o modo como ela se socializa dentro do seu lar com sua família, nosso lar precisa ser o melhor lugar que gostaríamos de estar. Provérbios 15.17, diz que melhor é a comida de hortaliças onde há amor, do que o boi gordo onde há o ódio. Por mais luxuoso que venha ser o lugar onde encontramos, precisamos ter saudade da nossa casa. Tem muita gente que após o trabalho não tem prazer de voltar para seu lar, prefere estar em qualquer outro lugar que chegar a própria casa. Há muitos filhos também que preferem se isolar dentro de seus quartos, tornando-se insociáveis com a própria família. Preferem passar horas na frente de um computador do que estar no seio da família. Provérbios 27.15, diz que o gotejar contínuo no dia de grande chuva e a mulher rixosa, um ao outro são semelhantes. O processo de contato social do ser humano inicia dentro do ambiente familiar, no momento que uma mãe amamenta seu filho, o bebê estabelece um contato, mantém um toque com que o auxilia, esse é o primeiro contato de prazer que uma criança recebe no seu lar, a partir desse momento, para que essa criança desenvolva uma vida saudável e feliz dentro do seu lar são necessários que os frutos excelentes do Espírito sejam realizados os quais são: amor, mansidão, fé, temperança, paz etc, esses devem ser os frutos que devemos produzir para que tenhamos um lar feliz e abençoado por Deus (Gl 5.22).

1.2. Comer do Trabalho de suas Mãos

A preguiça é uma das maiores pobrezas que alguém possui. O trabalho enobrece qualquer cidadão. Não existe nada mais gratificante do que trabalhar e receber seu salário no final do mês. Poder ofertar e dizimar na casa do Senhor e trazer conforto para dentro de seu lar. A bíblia afirma que o homem deve viver do suor do seu rosto (Gn 3.19), mas, infelizmente muitos querem viver do suor do rosto de outro.  Provérbios 24.33, diz que um pouco de sono ou cruzar os braços ou estar deitado assim sobrevirá a tua pobreza. Também no livro de provérbios 31.3, uma mãe instrui ao seu filho “rei Lemuel” a não dar as mulheres a sua força, a obrigação do homem não pode ser transferida a mulher. Ambos têm obrigações a serem cumpridas para manter as necessidades e conforto de sua casa, sabendo que a responsabilidade maior continua sendo do homem. Provérbio 31.13 relata que a mulher, além de sua obrigação na ordem da casa conseguia tempo para ir à busca de lã, um material anualmente retirado das ovelhas, esta era desfiada e feito fios bem finos, os quais eram muito usados na fabricação de lindos bordados, blusas de frio e cobertas para proteger a família durante a estação do frio. Trabalhava também com linho fino, material riquíssimo, as mulheres possuíam habilidades neste serviço e assim ajudavam seus esposos no conforto e nutrição do lar. Era um procedimento muito lindo! A bíblia fala em Proverbios 31.19 que as mulheres estendiam a mão a roca, uma máquina manual utilizada para fazer primeiro o fio, e desse passaria a outro procedimento, e assim sucessivamente até a conclusão da obra. O que tiramos de exemplo com essas mulheres? Elas iam longe à busca de lã, além da distância, um trabalho difícil devido suas fibras serem ásperas. Tudo tem um preço! Mas, aquele que serve a Deus, tanto o homem quanto a mulher procura ocupar sua mente no trabalho digno e ainda dedica parte do seu tempo à oração e a adoração a Deus. A este o Senhor cuida, abençoa e supre todas as suas necessidades. Enquanto que ao preguiçoso sobrevirá a sua pobreza como um ladrão e a tua necessidade como um homem armado (Pv 24. 34). O que não devemos é preencher todo nosso tempo no trabalho secular, isso é falta de fé e desprezo pela adoração, sendo que o nosso Pai Celestial nos dá a saúde, a vida, cuida da nossa descendência e nos sustenta com sua graça (Sl 37. 25).

1.3. A Felicidade de Temer ao Senhor

Temer ao Senhor é algo que proporciona no coração do homem o que ninguém pode explicar. Todo ser humano possui dentro de si uma lacuna que só Deus pode preencher. Quando ele abre o coração para que o Espírito de Deus entre, essa lacuna é preenchida com uma tamanha felicidade que ele passa pelas lutas e as vêem como algo mensurável, como se Deus estivesse medindo o grau de sua fidelidade. Ninguém vive sem conflitos, até porque quase todos os nossos conflitos são causados por nós mesmos, pelos nossos desejos, nossa inquietude, e nossa busca incessante de sempre estar à procura de algo a mais. Àquele que teme a Deus sabem que as lutas são passageiras e sevem para amadurecimento espiritual do crente como está escrito em Salmo 107. 28-30. Ele clama ao Senhor na sua tribulação, e Ele os livra das suas angustias. Faz cessar a tormenta e acalma as ondas, então alegram com a bonança; e Ele, assim, os leva ao porto desejado. E assim o lar que teme ao senhor prossegue dizendo que só Deus merece toda glória e honra e que só Ele é digno de ser louvado. Esse lar, com certeza será abençoado pelo Senhor (Sl 128).

2. Filhos: Planta de Oliveira

A palavra de Deus (Sl 128.3) fala que os filhos são como planta de oliveira a roda da tua mesa. A oliveira é tão impressionante em seu desenvolvimento, quanto aos frutos que produz e suas utilidades. Ela produz azeitona! Mas de que serve a azeitonas? Sabemos que ela é uma fonte de comida, luz, higiene e cura. Em Êxodo 27.20, Deus ordenou aos filhos de Israel que trouxessem azeite puro para o candeeiro, para fazer arder à lâmpada continuamente, assim é uma família que anda segundo a palavra de Deus, tanto em seu lar como na casa de Deus há uma luz que ilumina e arde constantemente. O azeite puro é a unção do Espírito Santo, e este nunca falta na igreja e nem na família, quando ela busca com cuidado e temor essa unção.

2.1.  Os Filhos são Herança do Senhor.

A família é o maior bem que Deus criou na terra (Sl 127.3). Os filhos é herança do Senhor. São presentes que ele nos concedeu. Ninguém ganha um presente e despreza, deixa jogada, empoeirada, esquecida ou em um canto. Tudo que ganhamos, procuramos guardar zelar e cuidar. Tem pessoas que chega ao extremo com o cuidado com aquilo que ganha e às vezes nem usa temendo que possa estragar ou acabar. Isso muita vezes não acontece com muitos pais no cuidado, com o maior presente que Deus os concedeu que são os filhos. Muitos não ensinam, não cuidam, não dedicam tempo com sua presença ao seu lado, não oram junto com seus filhos, não levam a Escola Bíblica Dominical, aos cultos, e quando os levam não se preocupam se os filhos estão atentos ou se está lá fora andando pelos corredores e isso tem trazido grande conseqüência espiritual na vida de muitas famílias.

2.2. A Educação Cristã Começa Dentro de Casa

A educação cristã é o alicerce de uma família abençoada por Deus, quando uma família exerce princípios, ética, ordem e guardam os ensinamentos da palavra de Deus, reflete em uma sociedade justa, sólida e disciplinada, o que traz benefício à igreja e a própria sociedade. Nossa casa precisa ser a igreja que congregamos, o que apresentamos na igreja é o que vivemos no interior de nossa casa, se isso não tiver acontecendo é necessário que façamos como a mulher da dracma perdida (Lc 15.8-9). Acender a lamparina da nossa convicção e entendermos que algo muito valioso está perdido e precisa ser encontrado, leva tempo de procura. É necessário abrir a janela dos nossos olhos espirituais para que a luz do espírito possa brilhar e clarear os cantos mais escuros no interior de nosso lar para que possamos encontrar valores que foram perdidos e são úteis para o bem de nossa família.

2.3. O Exemplo Cristão dos Pais Faz a Diferença

Os direitos humanos dizem que a família é o elemento cultural natural, universal e fundamental da sociedade. Sem a família não há sociedade. A sociedade está como está porque os responsáveis por ela perderam o comando e o exemplo.  Quando uma família é formada segundo a vontade de Deus e seus responsáveis mantêm um exemplo de vida cristã e secular, essa tem grande chance de formarem famílias sadias, fortes e felizes. É isso é fácil? Não! Existe um mal que trabalha constantemente contra a família e por causa disso seu responsável, além do exemplo, é necessário clamar a Deus e estar sempre atento ao que está acontecendo entre os membros do seu lar. O maior desafio é a de prevenção contra o mal. Diz que a prevenção de uma doença é o melhor remédio. A palavra “não” tem que ser dita e tem que prevalecer dentro de nossa casa. Dê ao seu filho um castigo que realmente você pode exigir que ele cumpra. Se você der um castigo ao seu filho e pela insistência dele você o livra, sua palavra perderá o poder, ele saberá que você é flexível, sendo assim poderá continuar a praticar as mesmas coisas e que nada vai acontecer. Se você não sustenta sua palavra é melhor usar outra forma de correção, lembrado sempre que nossos filhos estão de olho em tudo que fazemos e praticamos.

3. Netos: Herança do Senhor

A bênção de Deus para aquele que o teme e anda nos seus caminhos é vida longa e continuidade da herança do Senhor, em Salmos 128 diz que os filhos são herança de Deus. Diante disso podemos considerar que os netos são uma dupla herança. Aqueles que podem ver os filhos dos filhos são considerados abençoados por Deus e bem-aventurados na vida. Os avôs curtem mais os netos do que curtiram seus próprios filhos, pois não estão diretamente preocupados com o sustento dos mesmos.  Essa dupla herança torna uma família grande: bisavós, avós, pais, filhos, netos e bisnetos. Imagine essa família servindo ao Senhor em uma mesma comunidade! Quando todos obedecem aos preceitos Divinos! Uma igreja composta de famílias onde pais, filhos e netos congregam, e estes são exemplos de fé. O líder sente se recompensado, pois sabe que tem uma grande ajuda para o trabalho e desempenho da obra do Senhor. Portanto, faz se necessário que os ensinamentos cristãos sejam ensinados dentro de nossos lares para que tenhamos um lar e uma igreja cheia da presença de Deus o que também faz parte da suas promessas em nossas vidas (Sl 128.6). Como exemplo de bem-aventurança na sucessão familiar, citamos Lóide (2 Timóteo 1.5). Uma serva de Deus que dentro de sua família, foi a primeira a se converter e soube ganhar sua filha Eunice e ensinar seu neto, Timóteo, nos preceitos divinos, pois bem sabia que ensinar suas verdades espirituais não era uma opção, mas uma obrigação. Como mãe e avó, Lóide colocou Deus em primeiro lugar em sua vida. Esse seu amor pelo Senhor certamente serviu de testemunho ao seu neto Timóteo, pois o legado deixado por ela a ele o transformou em um jovem cristão que tinha a mente semelhante ao próprio apóstolo Paulo.

3.1. Ver os Netos Não Criá-los. 

Nós erramos muito por inverter certos valores, por esse motivo criaremos alguns conflitos que nos causam em vez de alegria e prazer certo desconforto e atrapalho na criação e educação dos netos. Os netos são bênçãos de Deus. Um, conselho, um diálogo, um presente, um carinho ou mesmo uma oração é muito importante na vida de nossos netos, más a responsabilidade que a bíblia ensina são dos pais na criação e correção dos filhos, não podemos mudar essas ordenanças bíblicas. Muitas avós tiram essa responsabilidade dos pais e assumem toda responsabilidade na criação dos netos. Assumam com tanta veemência que deixa os filhos numa boa. Os outros não suportam ver seus filhos sendo educando e ensinado. Essa atitude tira a autoridade do próprio pai ou da mãe, além de colocar o neto mal acostumado. Isso tem sido um grande mal onde a própria criança fica confusa sem saber quem atender se são os pais ou os avôs.

3.2. Viver para ver os Filhos de teus Filhos

Quem não gosta de viver? Todos amam viver, a morte é um terror que muitos não gostam nem de falar nela, só que se perguntarem quem quer ficar velho? Quase ninguém levantaria a mão! A velhice faz parte da matéria humana. Todos que vivem com a promessa de Deus possuem uma velhice saudável e abençoada por Deus. Provérbios 16.6, diz que os filhos dos filhos é a coroa dos velhos. É bem verdade que ao chegar a idade de ver os filhos dos filhos, já contamos com uma idade mais longa que é promessa de Deus, e a glória dos filhos são os pais. O mais lindo é que vemos aí uma troca de valores, quer dizer que os filhos bem educados pelos seus pais acabam refletindo no seu futuro e passa ser uma glória para eles de tal maneira que ambos sentem felizes, tanto pais como filhos são mencionados um pelo outro e elogiados. Toda correção ao princípio dói mais no futuro promove grande alegria!(Hb 12.11). Vemos muitos filhos elogiar os pais pela forma como os educaram e pelos exemplos que deram hoje eles podem caminhar sozinhos e ser muito importante para a família e para sociedade!

3.3. A Bondade de Deus e Distribuição de Bênçãos

O nosso Deus é um Deus bondoso, justo, misericordioso que não nega a sua benção aos seus filhos até mesmo aquele que aos olhos de muitos não merece suas bênçãos. O eterno Deus manda o sol, a chuva, o vento, o oxigênio que respiramos nada disso ele nega a sua criatura. Pelo contrario, ele dá aos maus e aos bons seu amor é imensurável e como cristãos, tementes a Deus, devemos abençoar a todos, principalmente os de nossa família. Em Genesis 48, vemos Jacó, com sua idade bem avançada, enfermo e já próximo à morte. José, seu filho, preocupou-se em levar seus dois filhos “Manasses e Efraim” para receber das suas mãos, as bênçãos as quais sabia que tinha direito e que essa passaria de geração a geração, promessas da boca do próprio Deus. Jacó, (Israel) sentiu tanta gratidão pelo que Deus fez em sua vida a ponto de dizer: “Eu não tinha esperança de ver nem o seu rosto que agora vejo meu filho José, muito mais feliz me sinto de ver também os teus filhos”, e nesse exato momento abençoou seus netos. Essa precisa ser a nossa gratidão a Deus pelos anos de vida e força que ele nos tem dado e sermos gratos a Ele, não ficarmos murmurando por qualquer coisa, pelo contrário, se Deus nos tem dado o privilégio de vivermos devemos ser grato a ele de poder ver nossos netos e estar abençoando-os, com nossas orações. Nunca se esquecer de orar pela nossa família, às vezes oramos tanto pelos outros que também é nossa obrigação, e não nos preocupamos com nossa família, ver os filhos dos filhos também é uma oportunidade de abençoar a nossa descendência.

CONCLUSÃO

O lar só é feliz, quando esse busca a felicidade em Deus através da sua palavra, procurando guardar o temor do Senhor, cultivando atitudes de servos tementes a Deus, procurando agradar o Senhor, satisfazendo o desejo do seu coração, entregando a ele todos os nossos sonhos, tendo em mente que Ele é Deus e Senhor da nossa vida!

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

GENEBRA, Bíblia de Estudo, 2 ed. Barueri, SP; Sociedade Bíblica do Brasil; São Paulo-SP; Cultura Cristã, 2009; Texto Bíblico: Almeida Revista e atualizada, c-1998, c-1993.

REIS, Gilmar Tavares, 1980 Família Cristã: Desafios para Hoje 2ª edição. Goiânia: Editora Visão, 2014.

DOBSON, James, Adolescência Feliz com Jesus. Editora Mundo Cristão 1988, São Paulo SP.

FISCHER, Gary, A Videira e seus Frutos, http://www.estudosdabiblia.net/d92.htm, 28/04/2010.

KOENIG, Samuel, Elementos de Sociologia. Editores Zanas, 5ª edição, página 15-31.

BETEL, revista jovens e Adultos professor, Liderança Cristã. Editora Betel, rua Carvalho de Souza, 20 Madureira, Rio de Janeiro RJ, Julho 2014.

BETEL, revista jovens e Adultos professor, Fidelidade. Editora Betel, rua Carvalho de Souza, 20 Madureira, Rio de Janeiro RJ, Janeiro 2015.

BETEL, revista jovens e Adultos professor, Maturidade Espiritual. Editora Betel, rua Carvalho de Souza, 20 Madureira, Rio de Janeiro RJ, Outubro 2015.

COMENTARIOS ADICIONAIS


Missionária Gidersi Vilar Borges Viana, matrícula da CONAMAD (Convenção Nacional das Assembleias de Deus no Brasil Ministério de Madureira): 33845, líder do Departamento de Mulheres, professora na Escola Bíblica Dominical, Licenciada em letras/Inglês pela Faculdade Evangélica de Brasília – DF.

26 de outubro de 2015

Lições para acervo da Biblioteca

A Biblioteca da nossa EBD está passando por uma reforma e pretendemos reinaugurar no final do ano. Em nossos levantamentos identificamos que está faltando 4 (Quatro) Edições de Revistas da EDITORA BETEL. Caso você tenha algumas destas edições abaixo e queira ajudar fazendo a DOAÇÃO à nossa BIBLIOTECA, envie-nos para: QN 316, Conjunto 4, Lotes 3/4, Área Especial, Samambaia Sul/DF; ou, entre em contato conosco pelo WatsApp 8354-8309, ou ainda, pelos telefones: 8636-8990 (Oi) e 8354-8309 (Tim). Segue abaixo as lições Jovens e Adultos que faltam em nosso acervo:

Betel Dominical Nº 01
1991
4º Trimestre
Betel Dominical Nº 06
1993
2º Trimestre
Betel Dominical Nº 19
1996
2º Trimestre
Betel Dominical Nº 22
1997
1º Trimestre
 

15 de outubro de 2015

Homenagem da EBD ao dia do PROFESSOR

No dia 15 de outubro comemoramos o Dia dos Professores! A Escola Bíblica Dominical da AD316 de Samambaia Sul/DF, AGRADECE e PARABENIZA todos esses MESTRES e EDUCADORES CRISTÃOS, pela dedicação e esmero, na FORMAÇÃO de Crianças, Jovens e Adultos para o Reino de Deus.  A EBD316 tem imensa satisfação em cooperar junto com vocês na construção de uma EDUCAÇÃO CRISTÃ SÓLIDA e pautada em valores e princípios bíblicos. Obrigado a todos vocês Professores! Que Deus abençoe os vossos MINISTÉRIOS!!

12 de junho de 2015

Escola Bíblica de Férias 2015

ESCOLA BÍBLICA DE FÉRIAS 2015

DATA: 30,31 de Julho e 1º de Agosto de 2015
 Sexta e Quinta 14 ás 17 horas - Sábado de 8h30 às 16h
LOCAL:  AD316 -  Samambaia Sul/DF

6 de junho de 2015

Semana Acadêmica 2015

A Escola Dominical da Assembleia de Deus da 316 de Samambaia Sul realizou nos últimos dias 1º a 5 de junho de 2015, mais uma Semana Acadêmica, sobre o tema: "O Despenseiro dos Mistérios de Deus", com base em 1º Corintios 4.1-5. Nossa igreja foi impactada com estudos maravilhosíssimos não deixando a desejar em nada em relação a grandes eventos e conferências realizadas pelo Brasil a fora. Nós experimentamos o que poderíamos chamar de "Avivamento da Palavra". Fomos "alimentados" e "orientados" com a genuína Palavra de Deus, às quais foram expostas de forma simples, mas com uma profundidade fora do normal. Esta Semana marcará com certeza um novo ciclo na vida de nossa igreja e de cada acadêmico que dela participou. Só temos que agradecer a Deus e pedir que Ele abençoe a cada um destes cinco homens de Deus, que se mostraram verdadeiros despenseiros dos mistérios de Deus. Também agradecer a cada participante que nos prestigiou com sua presença! Já estamos agendando e trabalhando para que a do próximo ano, se Deus assim permitir, seja daqui para melhor!     






Veja mais imagens na página "Fotos da Semana Acadêmica"

12 de maio de 2015

1ª Semana Acadêmica 2015

SEMANA ACADÊMICA 2015

No Reino de Deus "Despenseiros" são todos aqueles responsáveis por receber e transmitir os oráculos de Deus. O objetivo desta Semana Acadêmica é destacar a relação destes despenseiros com os oráculos de Deus, bem como chamar a atenção para a responsabilidade na hora de alimentar o povo com a saudável Palavra de Deus. Estes cinco homens de Deus foram cuidadosamente selecionados porque tem compromisso de transmitir a Palavra de forma pura, genuína e com profundidade.


Venha participe conosco!  Haverá entrega de certificado, com 10 horas, para os participantes com pelo menos 75% de frequência. Contatos para críticas, esclarecimentos ou sugestões podem ser feitos pelo e-mail: assembleiadedeus@ebd316.com  e WhatsApp: (61) 8354-8309.