Pessoas que acompanham nosso site

Revista do próximo trimestre

2º Trimestre de 2017
Abril a Junho 

Neste trimestre, o assunto abordado é o livro do profeta Jeremias. Ele foi escolhido por Deus e revestido de autoridade pelo Eterno, a fim de cumprir sua missão.  Jeremias foi abandonado e aprisionado devido às mensagens ásperas em suas profecias. Foi acusado de infidelidade por dizer, em nome do Senhor, que o povo de Judá deveria se render à Babilônia. Porém, mesmo diante de falsas denúncias e de ameaças de morte, Jeremias nunca se esquivou do seu chamado, cumprindo-o com esmero e afinco. Será uma excelente oportunidade para meditarmos sobre os propósitos de Deus ao disciplinar o Seu povo e as profecias de restauração e renovo. 

A geração que fracassou na terra da promessa - Comentários Adicionais

A GERAÇÃO QUE FRACASSOU NA TERRA DA PROMESSA
(Lição 09 - 26 de Fevereiro de 2017)

TEXTO ÁUREO
"Uma geração vai, e outra geração vem; mas a terra para sempre permanece.” (Ec 1.4).

VERDADE APLICADA
A pior tragédia para uma geração é viver alienada de Deus, andando por seus próprios caminhos.

OBJETIVOS DA LIÇÃO
Esclarecer que a fidelidade de uma geração não garante o sucesso da geração futura;

Ensinar que é possível viver alienado de Deus, mesmo nascendo em um lar cristão;

Tornar evidente que uma geração pode comprometer o sucesso da seguinte quando não cumpre seu propósito.

TEXTOS DE REFERÊNCIA
Jz 2.6 – E, havendo Josué despedido o povo, foram-se os filhos de Israel, cada um à sua herdade, para possuírem a terra.

Jz 2.7 – E serviu o povo de Israel ao Senhor todos os dias dos anciãos que prolongaram os seus dias depois de Josué, e viram toda aquela grande obra do Senhor, a qual ele fizera a Israel.

Jz 2.8 – Faleceu, porém, Josué, filho de Num, servo do Senhor, da idade de cento e dez anos.

Jz 2.10 – E foi também congregada toda aquela geração a seus pais, e outra geração após eles se levantou, que não conhecia ao Senhor, tampouco a ora que fizera a Israel.

1. FIDELIDADE DE UM E O SUCESSO DE OUTRO
Como se vê, os israelitas deixaram de cumprir uma ordem clara de Deus: matar todo mundo que estivesse no caminho. A razão deste fracasso é explicada nesta lição com um breve resumo das condições espirituais do povo quando este se encontrava sob o comando de Josué.

1.1. Os desafios de nossa geração
Francis Schaeffer (1997, p. 5), em seu livro “A Morte da Razão”, nos diz que:Cada geração defronta com este problema de aprender como falar ao seu tempo de maneira comunicativa. É problema que não pode resolver sem uma compreensão da situação existencial, em constante mudança, com que se defronta. Para que consigamos comunicar a fé cristã de modo eficiente, portanto, temos que conhecer e entender as formas de pensamento da nossa geração. Devemos compreender o que está sendo ensinado a nossa geração, para podermos combater aquilo que é excêntrico às Escrituras, e ao mesmo tempo comunicar a Palavra de Deus de forma eficiente para essa geração. Como bem disse Stanley Grenz (1997, p.28), “nós não fomos chamados para ministrar a uma época remota, mas para os dias de hoje, cujo contexto acha-se sob a influência da Pós-Modernidade”. Segundo Antônio Tadeu Ayres (1998, p. 6), em seu livro “Como Entender a Pós-Modernidade”, nos afirma que o momento que a Igreja de Cristo está inserida é marcado pelo rompimento das fronteiras sociais, desmantelamento dos sistemas, quebra de tabus, nova moralidade, novos critérios éticos e a destruição dos sistemas de valores presentes nas gerações passadas.

1.2. Cada geração nasce com uma responsabilidade
A Igreja é o principal instrumento que Deus tem neste mundo para unir as coisas. A resposta para a indagação e a inquietude dessa geração Pós-Moderna não está no místico, no pragmatismo, etc., mas sim em Cristo. Como disse John MacArthur (1995, p.12): “Encontramos na pessoa de Jesus Cristo provisões suficientes para as nossas necessidades”. Ayres (1998, p. 6) nos mostra que esse é um período difícil, mas de grande oportunidade para a Igreja de Cristo. O ser humano contemporâneo está fragmentado, inseguro quanto ao seu futuro, ideologicamente, está órfão de valores da religião e esfomeado diante das várias opções oferecidas.

1.3. Toda geração possui uma missão
Agora como levar o Evangelho absoluto de Cristo para uma geração Pós-Moderna que não crê no absoluto, que é pragmática, pluralista e mística? Como evitar essa infiltração no arraial evangélico? Quando olhamos para o Sermão do Monte, percebemos que podemos tirar dali algumas respostas para essa inquietude:A primeira coisa que a Igreja tem que ter é convicção de sua identidade (Mt 5.13-14), porque essa identidade gera responsabilidade e estabelece a contracultura (Mt 6.8). Entretanto o mundo Pós-Moderno só vai ouvir pessoas que têm convicção daquilo que está proclamando (Mt 6.9-10) e isso tem dimensões profundas, porque sai da esfera teórica (Mt 7.26-27) e desemboca na prática (Mt 7.24-25) e na transparência (Mt 5.9; 5.21-24; 5.37), na celebração da verdade (Mt 5.3-12), na prioridade e no despojamento de tudo o que não é de Deus (Mt 6.10; 6.31-33).

2. PORQUE FRACASSA UMA GERAÇÃO?
Daniel Salinas (1999, p. 26, 33-38) mostra que neste contexto não existe absolutos, Salina também nos fala de um Jardim pluralista. Na religião, o pluralismo mostra que a salvação não tem só um caminho, mas tem diversos caminhos. Nenhuma religião tem o direito de se achar a única dona da verdade e isso inclui o Cristianismo. Para o pensamento Pós-Moderno não existe verdade absoluta, pois a verdade é relativizada. Portanto a Igreja da atualidade tem o dever de ter um relacionamento continua com Deus, para entender a sua palavra.

2.1. Viver sem comunhão com Deus
Essa geração tem que saber que a Igreja de Cristo chamada para ser Sal e Luz deste mundo, não precisa de amuleto ou fetichismo (Mt 6.5-7), mas ela desenvolve uma piedade cristã relacional e não utilitária com Deus Pai, revelado por Cristo no Sermão do Monte (Mt 6.9-18).

2.2. Viver sem compromisso
A Igreja não pode relativizar e nem se curvar por causa do sucesso do pragmatismo excêntrico e nem pelas afrontas desse mundo. Para John Stott (1997, p.184), no seu livro “Ouça o Espírito, Ouça o Mundo”, nós não podemos ser como varas sopradas ao vento, não podemos de maneira alguma nos curvar diante dessa sociedade com sua avareza, seu relativismo, sua rejeição ao absoluto.Pelo contrário, temos que ficar fiel à Palavra de Deus. A Palavra de Deus é absoluta verdade: “Santifica-os na verdade; a tua Palavra é a verdade” (Jo 17.17, NVI), e essa verdade de Cristo no Sermão do Monte tem que ser guardada e praticada (Mt 7.24-27), e para praticar nós temos que estar compromissados com a Palavra.

2.3. Viver sem conhecer a Deus é desperdiçar a própria vida
O mundo precisa visualizar que a Igreja de Cristo tem sua plena fundamentação não nas riquezas desse mundo (Mt 6.19), mas em Deus (Mt 6.20). Demonstrando que a Igreja de Cristo não é opulenta, mas ela tem um estilo de vida simples (Mt 6.25-26), O Supremo Bem, que a Igreja percorre em alcançar como valor, não é temporal, mas eterno (Mt 6.33).

3. UMA GERAÇÃO PODE AFETAR A OUTRA
Nós como cristãos vivemos num mundo pluralista, todavia temos que deixar claro para essa geração a Unicidade de Jesus Cristo, porque só Ele é Senhor e Salvador. Como bem disse John Stott (1997, p.358), negar a Unicidade de Jesus Cristo para essa geração é extirpar o nervo de sua missão, tornando supérflua.

3.1. Sem legado só restarão ruínas
Philip Kenneson (apud Salinas, 1999, p.45) diz que a tarefa urgente da Igreja é viver neste mundo de tal modo que eles sejam levados a nos indagar a respeito da salvação. Ele também afirma que ”Nesta era Pós-Moderna não podemos esconder a nossa vida por trás de grandes argumentos racionais, porque agora os mesmos não impressionam mais. Nesta era, mais do que com palavras, evangelizemos com ações, com uma postura de amor pelos outros, com uma axiologia saturada pela ética e pelos valores do reino, e com uma mensagem encarnada, que saia dos templos e que se misture com a geração desencantada”.

3.2. Povo sem sucessão e povo sem sucesso
A Igreja não pode se embriagar com a proposta do evangelho humanista de ser rica famosa de angariar status da sociedade, mas deve se preocupar exclusivamente com a glória de Deus. Pensando assim ela irá romper as barreiras porque ela não está interessada naquilo que o homem pode dar como: dinheiro, intelectualidade etc., mas ela está interessada em levar pessoas a conhecer Cristo e seu Reino.

3.3. Povo sem herança espiritual é povo sem perspectiva
Cristo no Sermão do Monte, nos mostra um caminho seguro, para comunicar sua Palavra, a essa geração pós-moderna que morre de inanição, por Deus. A igreja de Cristo deve romper as barreiras e as fronteiras e se apresentar para essa geração como Sal e Luz, como guardadora da Verdade e praticadora da Verdade.

CONCLUSÃO
Conclui-se que temos que seguir então o modelo de Jesus cujo ministério público foi essencialmente relacional. Ele andava no meio das multidões, ou então tinha encontros privados com determinadas pessoas, até mesmo de noite. Ele sabia o que era sentir o calor do meio-dia no deserto de Samaria, ou o frio da morte no quarto de um adolescente. Ele deixou-se tocar por uma mulher cerimonialmente impura, e tocou intencionalmente num leproso, isolado pela sociedade. Ele falou de situações cotidianas, de sal e lâmpada, de sementes e pastores de pais e filhos. Hoje, mais do que nunca, devemos seguir este modelo, se queremos alcançar a geração pós-moderna. Catalão Angel Castañeira (apud Salinas, 1999, p.46).

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:
- Revista jovens e adultos – 1º Trimestre de 2017 (Aprendendo com as gerações passadas);

- Bíblia de Referência. Bíblia de Estudo de Genebra– Tradução João Ferreira de Almeida – São Paulo: Editora Cultura Cristã, 2009.

- Catalão Angel Castañeira apud Salinas, Daniel e Escobar, Samuel. Pós-Modernidade: novos desafios à fé cristã. São Paulo,. ABU,1999, p.46.

- Philip Kenneson apud Salinas, Daniel e Escobar, Samuel. Pós-Modernidade: novos desafios à fé cristã. São Paulo,. ABU, 1999, p.45.

- FIDES REFORMATA 4/1 (1999). John Stott, Ouça o Espírito, Ouça o Mundo: Como Ser um Cristão Contemporâneo (São. Paulo: ABU Editora, 1997), 184, 358pp.

- Salinas, Daniel e Escobar, Samuel. Pós-Modernidade: novos desafios à fé cristã. São Paulo,. ABU,1999. O Livro de Daniel Salinas e Samuel Escobar da ABU 26, 33-38p.

- Lecture (Ayres, 1963) introducing her concept of sensory integration ... As first described by Ayres (1972), sensory integration .... Dunn, 1998; Mulligan, 1998) 6p.

- These study guides, part of a set from noted Bible scholar, John MacArthur, take readers on a journey ... Moody Publishers, Jun 9, 1995 - Religion - 12 p.

- Como Entender a Pós Modernidade, de Antônio Tadeu Ayres, no maior ... Tipo: Seminovo/usado; Ano: 1998; Editora: vida;

- 1996. p 14. 3 GRENZ, Stanley J. Pós Modernismo. São Paulo, Edições Vida Nova, 1997, p. 28.

- 9 de abr de 2016 - http://www.cbn.org.br/artigos-e-devocionais/103-o-desafio-da-pos-modernidade.html.Francis Schaeffer(1997, p. 5).

COMENTÁRIOS ADICIONAIS:

Evangelista Wesley Batista de Souza - É membro da Igreja Assembleia de Deus de Madureira – QN 316 Samambaia – Sul. Professor e superintendente da Escola Bíblica Dominical.

Lição 09 - A geração que fracassou na terra da promessa

(Lição 09 - 26 de Fevereiro de 2017)

TEXTO ÁUREO
"Uma geração vai, e outra geração vem; mas a terra para sempre permanece.” (Ec 1.4).

VERDADE APLICADA
A pior tragédia para uma geração é viver alienada de Deus, andando por seus próprios caminhos.

OBJETIVOS DA LIÇÃO
Esclarecer que a fidelidade de uma geração não garante o sucesso da geração futura;

Ensinar que é possível viver alienado de Deus, mesmo nascendo em um lar cristão;

Tornar evidente que uma geração pode comprometer o sucesso da seguinte quando não cumpre seu propósito.

TEXTOS DE REFERÊNCIA
Jz 2.6 – E, havendo Josué despedido o povo, foram-se os filhos de Israel, cada um à sua herdade, para possuírem a terra.

Jz 2.7 – E serviu o povo de Israel ao Senhor todos os dias dos anciãos que prolongaram os seus dias depois de Josué, e viram toda aquela grande obra do Senhor, a qual ele fizera a Israel.

Jz 2.8 – Faleceu, porém, Josué, filho de Num, servo do Senhor, da idade de cento e dez anos.


Jz 2.10 – E foi também congregada toda aquela geração a seus pais, e outra geração após eles se levantou, que não conhecia ao Senhor, tampouco a ora que fizera a Israel.

Deus convoca todos à santificação para a travessia do Jordão - Comentários Adicionais

DEUS CONVOCA TODOS À SANTIFICAÇÃO PARA A TRAVESSIA DO JORDÃO
(Lição 07 - 12 de fevereiro de 2017)

TEXTO ÁUREO
"Disse Josué também ao povo: Santificai-vos, porque amanhã fará o Senhor maravilhas no meio de vós.” (Josué 3.5).

VERDADE APLICADA
Para desvendar o futuro, é preciso estar disposto a atravessar os desafios que surgem à nossa frente.

OBJETIVOS DA LIÇÃO
MOSTRAR aos aluns que a santificação deve ser um estilo de vida;
ENSINAR que quem gasta tempo pensando antes das decisões não perde a paz após elas;
ILUMINAR o entendimento dos alunos acerca da importante guerra espiritual dessa passagem bíblica.

TEXTOS DE REFERÊNCIA
Js 4.4 – Chamou, pois, Josué os doze homens, que escolhera dos filhos de Israel, de cada tribo um homem,

Js 4.5 – E disse-lhes Josué: Passai diante da arca do Senhor, vosso Deus, ao meio do Jordão, e levante cada um uma pedra sobre o seu ombro, segundo o número das tribos de Israel,

Js 4.6 – Para que isto seja por sinal entre vós; e, quando vossos filhos no futuro perguntarem, dizendo: Que vos significam estas pedras?,

Js 4.7 – Então lhes direi que as águas do Jordão se separaram diante da arca do concerto do Senhor; passando ela pelo Jordão, separam-se as águas do Jordão; assim que estas pedras serão para sempre por memorial aos filhos de Israel.

1. O CAMINHO EXIGE SANTIFICAÇÃO
Com a orientação de Deus, Josué inicia a travessia do Jordão. Ele já tinha experiência quando atravessou o mar vermelho com o seu líder Moisés, agora ele assumia o papel de condutor do povo de Deus. Podemos concluir que: um dia estamos sendo conduzidos, outro, estamos conduzindo alguém. Diante disso, devemos nos preparar para a boa obra. (2 Tm 2.15).

1.1. A santificação
A santificação significa estarmos ligados com a vontade de Deus e desligados do pecado.  A bíblia sagrada vai nos orientar a seguir a vontade de Deus e alcançarmos a perfeição em santidade. A santificação aproxima o homem de Deus, nos momentos de dificuldades, vários personagens bíblicos buscaram a santificação e alcançaram a vitória em Deus. Vejamos: a)Gideão (Juízes 6.11); b) Moisés (Êxodo 19.10-11); c) Abraão (Gênesis 22.1); d) Pedro (Atos 5.17–33); e) Simão (Atos 10); e) Paulo (atos 23).

1.2. A santificação faz abrir o Jordão
O nosso Deus espera que tenhamos confiança Nele, a bíblia nos revela que a fé é o firme fundamento das coisas que se esperam, e a prova das coisas que se não vêem." (Hebreus 11.1). Em meio as dificuldades é necessário que o servo de Deus busque a santidade. Sobre o reinado do rei Josafá, vinha uma grande multidão, temendo, ele pôs-se a buscar o Senhor e apregoou jejum em todo Judá (2 Cr 20.1-30). Deus entregou a vitória ao rei Josafá por meio da santificação, pois ela nos aproxima de Deus. Com a santificação o mar vermelho se abriu, o rio Jordão e qualquer situação adversa cairá por terra, desde que nos santifiquemos (Js 3.5).

1.3. Sacerdotes na água, povo na terra
Jesus disse que ele era “o pastor excelente”, mostrando cuidado e sincera compaixão por aqueles que ele guiava. (João 10.11-15). Os líderes da atualidade devem seguir o exemplo de Jesus e dos sacerdotes que estavam participando da travessia do Jordão, dispostos a obedecer e cumprir a vontade de Deus.

2. ANTES DE PASSAR O JORDÃO
A passagem pelo Jordão era um passo importante e decisivo, pois uma vez atravessado, eles estariam pisando em definitivo a terra prometida, e teriam que enfrentar os seus moradores, em batalha com seus exércitos. Não tinham como voltar atrás. Portanto, o ato exigia preparação não só em relação à batalha que teriam de enfrentar, mas também em termos espirituais com nova vida e aliança renovada (Js 5.1-3; Gn 17.9-14).

2.1. Não se alcança perfeição agindo com emoção
A psicologia humana relata que a emoção está diretamente relacionada com os sentimentos, devemos saber dirigir as nossas emoções, pois o descontrole pode nos levar a destruição, acarretando, assim, sofrimento e infortúnio. Porém, se nossas emoções forem controladas, trará paz e tranquilidade. A emoção é uma energia que motiva o ser humano a ações que são necessárias para a sobrevivência. Diante dessas argumentações, precisamos atentarmos para nossa maneira de agir, não sendo precipitado (I Tm 5.22) e nem omisso (Tg 4.17), fazendo o que é correto, analisando responsavelmente todas as nossas ações.

2.2. A maravilha de amanhã depende do preparo de hoje
Ao analisarmos a palavra de Deus, percebemos que é extremamente conflitante projetarmos e alcançarmos somente vitórias na esfera humana. O projeto de hoje fortalece a preparação para o amanhã, porém o mais importante é vivermos uma vida plena em Deus. Não sabemos do dia futuro, por isso devemos viver o hoje em plena comunhão com Deus para que, no porvir vivamos uma vida eterna com Ele. (1 Jo 2-1).

2.3. Quem gasta tempo sabe por onde deve seguir
Deus nunca deixa os seus servos sem resposta ou sem saber o que irá acontecer, temos todas as profecias e percebemos que dia após dia mediante a palavra de Deus, elas têm se cumprido. Quando Deus destruiu Sodoma e Gomorra ele avisou a Abraão. A comunhão com Deus leva o homem a andar em caminho seguro, e se surgirem às ciladas malignas, poderoso é o Senhor para avisá-lo e livrar.

3. PASSANDO O JORDÃO
Jesus disse: quem quiser vir após mim negue a si mesmo, tome sua cruz e siga-me (Mt. 16:24, 25 e 26). O evangelho é renuncia, todos os apóstolos abandonaram suas vidas no cotidiano e seguiram a Jesus. Mateus, cobrador de imposto, Pedro, pescador e vários outros servos, deixaram tudo e seguiram a Jesus.

3.1. A travessia do Jordão
É uma benção quando o homem tem experiência com Deus, Josué atravessou o mar vermelho juntamente com seu líder Moisés, ele viu e passou, agora, na posição de líder e com experiência ele tinha certeza que grandes obras e vitórias alcançaria em Deus.

3.2. Gilgal o lugar da circuncisão
Gilgal foi o primeiro acampamento do povo de Israel após cruzar o Jordão, e se tornou conhecido não só por que foi o lugar da circuncisão da geração dos filhos de Israel que nasceram no deserto (Js 5.1-8), mas porque também foi em Gilgal onde se celebrou pela primeira vez a páscoa na terra prometida e onde cessou o Maná (Js 5.9-11). Além do mais, Gilgal se tornou o principal centro estratégico de operações militares durante as campanhas de conquista em Canaã (Js 4.19-20; 6.11-14; 9.6; 10.1-43; 14.6). A circuncisão em Gilgal foi importante não só como preparação para a conquista daquela geração, mas também um ato de renovação, purificação e consagração antes de tomar posse das promessas de Deus.

3.3. De Moisés a Josué
As lições e reflexões que Deus aplicou a seu povo no passado são plenamente aplicaveis à nossa vida hoje. O caminho para se alcançar uma bênção, uma vitória, uma conquista, pode ser curto ou longo, só depende de nossa disposição em obedecer e crer na Palavra de Deus. O nosso conhecimento das Escrituras pode até ser limitado, mas se nossa disposição em obedecer for autêntica os "jordões" certamente se abrirão para nós e tomaremos posse das promessas de Deus.

CONCLUSÃO
Josué ministrou ao coração do povo de Israel acerca do desânimo. Eis as palavras de Josué ao seu povo: Não tenham medo! Não desanimem! Sejam fortes e corajosos! (Js 10.25). Como Josué motivou a sua geração, que hoje também, possamos motivar a nossa geração a crer nos milagres e maravilhas do nosso Deus.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:
- Revista jovens e adultos – 1º Trimestre de 2017 (Aprendendo com as gerações passadas);

- Bíblia de Referência Thompson – Tradução João Ferreira de Almeida – São Paulo: Editora Vida, 2007.

- Psicologia humana – Volume 2, ano 1982 – página 26.

- Dicionário Escolar Da Língua Portuguesa - Aurélio Júnior - 2ª Ed. 2011.

COMENTÁRIOS ADICIONAIS:
Evangelista Aldemir Pinheiro da Silva - É membro da Igreja Assembleia de Deus de Madureira – QN 316 Samambaia – Sul. Professor e superintendente da Escola Bíblica Dominical.

Lição 07 - Deus convoca todos à santificação para a travessia do Jordão

DEUS CONVOCA TODOS À SANTIFICAÇÃO PARA A TRAVESSIA DO JORDÃO
(Lição 07 - 12 de fevereiro de 2017)

TEXTO ÁUREO
"Disse Josué também ao povo: Santificai-vos, porque amanhã fará o Senhor maravilhas no meio de vós.” (Josué 3.5).

VERDADE APLICADA
Para desvendar o futuro, é preciso estar disposto a atravessar os desafios que surgem à nossa frente.

OBJETIVOS DA LIÇÃO
MOSTRAR aos aluns que a santificação deve ser um estilo de vida;
ENSINAR que quem gasta tempo pensando antes das decisões não perde a paz após elas;
ILUMINAR o entendimento dos alunos acerca da importante guerra espiritual dessa passagem bíblica.

TEXTOS DE REFERÊNCIA
Js 4.4 – Chamou, pois, Josué os doze homens, que escolhera dos filhos de Israel, de cada tribo um homem,
Js 4.5 – E disse-lhes Josué: Passai diante da arca do Senhor, vosso Deus, ao meio do Jordão, e levante cada um uma pedra sobre o seu ombro, segundo o número das tribos de Israel,
Js 4.6 – Para que isto seja por sinal entre vós; e, quando vossos filhos no futuro perguntarem, dizendo: Que vos significam estas pedras?,
Js 4.7 – Então lhes direi que as águas do Jordão se separaram diante da arca do concerto do Senhor; passando ela pelo Jordão, separam-se as águas do Jordão; assim que estas pedras serão para sempre por memorial aos filhos de Israel. 

Deus encoraja Josué a liderar e tomar posse da terra prometida - Comentários Adicionais

DEUS ENCORAJA JOSUÉ A LIDERAR E TOMAR POSSE DA TERRA PROMETIDA
(Lição 06 - 05 de fevereiro de 2017)

TEXTO ÁUREO
Manda, pois, a Josué, e esforça-o, e conforta-o; porque ele passará adiante deste povo e o fará possuir a terra que vires.” Dt 3.28

VERDADE APLICADA
Uma pessoa sem motivação nada realiza, nada conquista e nada experimenta de novo em seu viver.

OBJETIVOS DA LIÇÃO
FALAR da importância da motivação;
DEMONSTRAR as fontes da motivação para se viver a vida cristã;
ENSINAR como a automotivação e ser fiel a visão que Deus nos dá.

TEXTOS DE REFERÊNCIA
Js 1.2 - Moisés, meu servo, é morto; levanta-te, pois, agora, passa este Jordão, tu e todo este povo, à terra que eu dou aos filhos de Israel.

Js 1.5 – Ninguém te poderá resistir, todos os dias da tua vida; como fui com Moisés, assim serei contigo; não te deixarei nem te desampararei.

Js 1.6 - Esforça-te, e tem bom ânimo; porque tu farás a este povo herdar a terra que jurei a seus pais lhes daria.

Js 1.7 - Tão-somente esforça-te e tem mui bom ânimo, para teres o cuidado de fazer conforme a toda a lei que meu servo Moisés te ordenou; dela não te desvies, nem para a direita nem para a esquerda, para que prudentemente te conduzas por onde quer que andares.

COMENTÁRIOS ADICIONAIS

1. A IMPORTÂNCIA DA MOTIVAÇÃO.
Todas as ações do indivíduo estão associadas a um motivo, a motivação pode ser considerada a disposição de um indivíduo para executar tarefas e alcançar seus objetivos. Por meio da motivação, Josué empregou sua energia, sua capacidade, sua competência e confiança em Deus em função da concretização dos seus objetivos, que era alcançar a Terra prometida e incentivar o povo de Deus ao mesmo propósito.

1.1. A motivação liberta nosso potencial
É natural termos uma tendência a perceber o negativo maior do que a tendência de perceber o que há de positivo, o medo de mudar surge da falta de fé, limitando a nossa capacidade de perceber o quanto a nossa confiança em Deus pode fazer com que o novo seja estimulante e motivador, despertando assim o nosso potencial. Em Filipenses 4.13 diz: “Tudo posso naquele que me fortalece”. A palavra de Deus tem toda a motivação que precisamos para viver o nosso dia a dia com confiança, alegria e poder.

1.2. A necessidade de estar motivado.
Estava Josué encarregado de substituir Moisés, um líder que influenciou as pessoas para atingir aos objetivos do povo como sendo para o bem comum (Ex 39.42-43). Assim, era de primordial importância que Josué fosse visto como um espelho para os liderados, assumindo a responsabilidade para que as coisas acontecessem. Estar motivado era de suma importância para que o povo enxergassem em Josué um exemplo a ser seguido.

1.3. A motivação gera forças para seguirmos adiante.
Em sua obra, Deus precisa de pessoas motivadas para cumprir Seu propósito. Essa motivação vem do Espírito de Deus que habita em nós. Além disso, as metas que almejamos alcançar devem estar alinhadas com a vontade de Deus. Assim como foi na vida de Josué, motivado e direcionado por Deus, nós, cristãos da atualidade devemos estar cheios de força para fazer de tudo conforme a vontade Dele para que, o nosso esforço não seja em vão. (Filipenses 2.16).

2. AS FONTES DE MOTIVAÇÃO
Não há dúvida que a fonte de motivação que nos capacita a viver acima de qualquer dificuldade é o autor e consumador da nossa fé: Jesus Cristo, por isso a nossa vida deve ser o reflexo da glória do Senhor em nós para permanecermos motivados em sua obra. (2 Coríntios 3:18).

2.1. A fonte suprema: Deus.
Todo bem vem de Deus por que Ele é a fonte de todo o bem, tudo que é reto, bom e puro provém Dele. O nosso Deus tem o controle de tudo e está acima de todas as coisas, todas as coisas estão sujeitas a sua soberana vontade. (Salmos 127.1). O líder Josué comissionado para uma excelente obra depositou a sua confiança em Deus, a fonte suprema. Ele sabia que não estava sozinho nessa peleja (Js 1.6-9).

2.2. A fonte secundária: a liderança.
Podemos afirmar com toda certeza, que Josué só foi um exemplo de liderança porque o seu líder Moisés era iluminado por Deus. Foi Moisés grandemente usado por Deus, ele foi o maior profeta a se levantar em todo Israel, procurou fortalecer a fé de outros quando disse: “Não tenhais medo. Mantende-vos firmes e vede a salvação da parte de Jeová, que ele realizará hoje para vós.” (Êxodo 14.13). Que o Senhor levante em nossos dias líderes como Moisés e Josué a qual podemos nomear de fonte secundária.

2.3. A fonte inalienável: nós mesmos.
A nossa motivação em servir ao Senhor, não deve ser outra, senão o fato de que Ele, segundo o seu amor, nos salvou em Cristo Jesus. Devemos ser motivados e reconhecer que somos devedores. Segundo o dicionário, inalienável diz-se daquilo que não é possível transmitir a outra pessoa. Longe de nós cristãos sermos uma fonte sem transmissão do amor de Deus, sem motivação, sem expectativas e sem esperança nas promessas daquele que é fiel. (Dt 7-9).

3. COMO MOTIVAR A SI MESMO?
O primeiro passo para nos tornarmos cristãos motivados é não nos acomodarmos, não aceitar as situações adversas que esbarramos na caminhada, devemos ter motivos para prosseguir e vivermos alegres na presença de Deus, sabendo que: “A alegria do Senhor é a nossa força”(Nm 8-10).

3.1. A motivação começa quando estabelecemos um alvo.
Josué recebeu de Deus a incumbência de conquistar a terra de Canaã (Dt 3.21,22,28), dedicando assim a sua vida nessa missão estabelecida pelo maravilhoso Deus. E nós, como podemos estabelecer alvos espirituais? Os alvos que glorificam a Deus estão relacionados diretamente com a nossa adoração a Ele e com os interesses do seu reino. (MT 6:33) Esses alvos resultam do amor a Deus e ao próximo, tendo por objetivo a devoção piedosa. (MT 22. 37-39), (1 TM 4-7).

3.2. A motivação correta produz alegria e contentamento.
É preciso entender que o nosso compromisso com Deus deve ser motivado pelo prazer de conhecê-lo, de sermos participantes da comunhão do autor da vida, adorar ao Deus grandioso que é Senhor de todas as coisas. Nossa maior motivação deve ser conhecer a vontade de Deus para a nossa vida e andar conforme essa vontade. Essa é a motivação correta, que irá produzir alegria e contentamento.

3.3. Motivados por uma visão.
A responsabilidade com a obra de Deus implica espontaneidade, vontade de servir melhor (Cl 3.23), sobretudo disposição em sacrificar a própria vida pela obra (At 20.24; Rm 8.35). Josué alcançou os seus objetivos porque tomou para si a visão da promessa de Deus como um destino.

CONCLUSÃO
Que a cada dia possamos nos comprometer com a obra do Senhor em todos os aspectos, pois quem se dedica com amor e esforço, colherão os bons frutos (Gl 6.7), e a colheita será de acordo com o que se planta (2 Co 9.6). Continuemos motivados e comprometidos com a obra de Deus, pois o nosso trabalho não é vão no Senhor (1 Co 15.58).

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:
Bíblia de Referência Thompson – Tradução João Ferreira de Almeida – São Paulo: Editora Vida, 2007.

Dicionário Escolar Da Língua Portuguesa - Aurélio Júnior - 2ª Ed. 2011.

REVISTA DO PROFESSOR: Jovens e Adultos. Aprendendo com as Gerações Passadas. Rio de Janeiro: Editora Betel – 1º Trimestre de 2017. Ano 27 n° 102. Lição 06 – Deus encoraja Josué a liderar e tomar posse da Terra Prometida.

COMENTÁRIOS ADICIONAIS:
Joana Darc da Silva Pinheiro - É membra da Igreja Assembleia de Deus de Madureira – QN 316 Samambaia – Sul. Professora da Escola Bíblica Dominical.